Os versos de protesto do Rapper Operante

No início de 2017, a redação do jornal A Nova Democracia recebeu a visita de Wendel Marques, o ‘Rap Operante’, um jovem baiano morador do município de Magé, na Baixada Fluminense, estado do Rio de Janeiro, que dedica seu talento compondo letras de denúncia contra as opressões que o povo brasileiro vive, como o racismo, a violência policial nas favelas e bairros pobres, a falta de direitos etc. Demonstrando elevada consciência de classe, e com dificuldades financeiras e logísticas para gravar suas canções de luta, o Rap Operante nos contou um pouco como começou seu trabalho.

http://www.anovademocracia.com.br/185/20.jpg

— Eu sempre gostei de música desde a minha infância. Eu morava em Salvador (BA) e na época existiam muitas músicas que falavam baixarias, que humilhavam as mulheres ou algo desse tipo. Eu sempre gostei de músicas que falam a realidade, sobre a opressão, sobre o preconceito. Era esse tipo de música que me tocava e eu sentia na alma. Quando a música é de ‘carne e sangue’ eu me identifico bastante. Então eu comecei a fazer música, fazer rap, em 2011, quando eu fiz a música Se liga. Depois disso demorou um ano, pois eu não tinha muita base, e eu fiz outra música, País capitalista, que fala sobre nossa situação e sobre o que nós estamos passando — diz.

— De lá pra cá eu continuo fazendo e não quero parar, pois isso é como se fosse uma luta pra mim. E eu tenho que lutar todos os dias mesmo e sei que a caminhada é difícil, mas eu não posso parar porque minha luta é pelos direitos do povo. Pelos direitos dos pretos, pois todos os dias nós sofremos indignidades e injustiças por parte das autoridades, do governo, do Estado. Então eu não vou parar e minhas músicas sempre vão falar desses assuntos independente de qualquer coisa, por mais que a burguesia não queira e a polícia não goste. Por mais que tentem me oprimir eu vou continuar.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia[email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin