Lutas de Libertação Nacional

Iraque e Síria: USA impõe terror contra os povos

O imperialismo ianque segue incrementando a matança de massas na Síria e no Iraque, revestida de “guerra ao terrorismo” e “guerra ao Estado Islâmico”, com o objetivo imediato de afogar em sangue a resistência nacional empreendida por grupos armados nestes países.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Na Síria, o Observatório Sírio de Direitos Humanos denunciou o genocídio praticado pelos ianques entre os dias 15 e 20 de março. Segundo esta fonte, bombardeios efetuados nas províncias de Aleppo e Al Raqqa ceifaram a vida de pelo menos 85 civis, entre mulheres e crianças. Além desses, outro bombardeio efetuado em Alyina, ao sudoeste de Al Atareb deixou 58 civis mortos.

A máquina de genocídio conhecida como Pentágono confirmou os bombardeios e alegou demagogicamente que foram destinados a posições da Al-Qaeda na Síria.

Ainda segundo a mesma fonte, desde o início das operações sanguinárias na Síria coordenada pelo USA, em setembro de 2014, pelo menos 890 civis morreram em bombardeios, entre 212 crianças – o que os ianques e demais imperialistas qualificam surpreendentemente como “terroristas”.

Já em Mossul, no Iraque, os imperialistas ianques, utilizando como carne de canhão o exército semicolonial iraquiano, segue fechando o cerco à população que resiste contra a tentativa de invasão na zona oeste da cidade.

Segundo o grupo Reach, a situação nesta região, por ocasião do cerco ianque, é “muito preocupante”. “As pessoas que permanecem na região oeste de Mossul sobrevivem com reservas de água e de comida cada vez menores”, observa o grupo.


Afeganistão: Ação arrasa 50 pró-invasores

Uma sofisticada operação de arrasamento foi realizada no maior hospital militar do Afeganistão, que abriga feridos do exército semicolonial afegão, localizado na capital Cabul. A ação, que aniquilou 50 pessoas — em sua ampla maioria militares —, foi realizada neste 8 de março e é reivindicada pelo Estado Islâmico.

A operação contou com dezenas de combatentes da resistência nacional que adentraram nos leitos vestidos de médicos e aniquilaram os militares a soldo do imperialismo ianque.

O hospital fica em frente à embaixada do USA e é, portanto, uma grande derrota moral para os imperialistas e seus lacaios.


Somália: Atentado contra quartel militar

Duas ações armadas foram empreendidas na capital Mogadíscio, na Somália, e uma delas empreendeu fogo contra um quartel do exército semicolonial somali. Aproximadamente 13 pessoas morreram.

http://anovademocracia.com.br/186/23b.jpg
Massas beligerantes rechaçam imperialismo

Assumiu a autoria dos ataques a milícia islâmica Al Shabab, que impõe resistência à ocupação colonial do país por tropas genocidas da ONU, serviçal dos ianques. 


Palestina: Exército sionista é rechaçado

Com informações de Secours Rouge

O exército do Estado sionista de Israel foi rechaçado pela heróica juventude palestina enquanto buscava invadir o campo de refugiados Dehesha, próximo de Belém, neste 15 de março.

http://anovademocracia.com.br/186/23a.jpg
Posto fronteiriço na Palestina

Soldados israelenses forçavam a entrada para invadir o campo de refugiados, como correntemente o fazem, quando jovens grandiosamente repeliram o exército com pedradas e paus. Cinco pessoas acabaram feridas e dois palestinos foram detidos.

Barbárie sionista

Na aldeia de al-Abidiya, próximo a Jerusalém, um trabalhador palestino identificado como Ahmad Radaydah, de 27 anos, foi alvejado covardemente por um tiro de fuzil disparado pelo exército israelense enquanto transitava na rua a caminho do trabalho. Não há atualizações sobre seu estado de saúde até o fechamento desta edição.

‘Israel aplica apartheid contra palestinos’

Uma justa conclusão quanto ao conflito israelense-palestino foi emitida por um relatório preparado pela Comissão Econômica e Social para a Ásia Ocidental (composta por 18 Estados árabes do oeste asiático), veiculada a  Organização das Nações Unidas (ONU).

“Claramente e francamente [o relatório] conclui que Israel é um Estado racista que estabeleceu um sistema de apartheid que persegue a população palestina”, define Rima Khalaf, subsecretária-geral da ONU e secretária-executiva da comissão para a Ásia ocidental.

Prontamente, todos os recalcitrantes reacionários na ONU e no mundo se pronunciaram em defesa do regime sionista. Stephane Dujarric, porta-voz das Nações Unidas, esclareceu que o relatório não expressa a opinião do secretariado da ONU (manejado pelos ianques). Já o USA declarou-se “revoltado” com o relatório e exigiu que fosse suprimido de sua qualidade de documento da ONU.

O relatório denunciou o método utilizado pelos sionistas para aplastar o povo palestino e roubar suas terras como sendo “a fragmentação da população palestina” em regiões isoladas.

Já o Estado sionista usou a velha cantilena de se apoiar na besta hitlerista que acometeu os judeus durante a II Guerra para justificar seus crimes contra a Palestina, caracterizando o relatório como “nazista”.

 

Mali: Soldados semicoloniais aniquilados

Uma emboscada empreendida por combatentes da resistência nacional antifrancesa, ligados à milícia Al-Qaeda, aniquilou dois e feriu outros 4 militares do exército semicolonial malinês, neste 20 de março, na cidade de Ansongo.

A emboscada ocorreu na vila de Fafa, próximo à fronteira com a Nigéria. Os combatentes capturaram ainda dois veículos do exército semicolonial e se retiraram exitosamente.

O Mali está mergulhado em profunda guerra civil desde que o imperialismo francês o invadiu sob o manto de “guerra ao narcotráfico” e “guerra ao terror” para escamotear seu verdadeiro caráter de guerra de agressão e de dominação.

Desde então, as massas resistem armadamente contra tropas francesas e da ONU, que ocupam, sobretudo, o norte do país.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin