Notas Internacionais

A- A A+

França: Impunidade da polícia revolta o povo

Protestos contra a violência do Estado e os assassinatos policiais contra negros e pobres foram registrados nesta segunda quinzena de março.

No dia 19 de março, mais de 7 mil pessoas tomaram as ruas de Paris em protesto. Cartazes e frases como “todos odeiam a polícia!” e “Polícia racista!” deram o tom de ódio e condenação à ação criminosa deste braço armado do imperialismo francês. Familiares das vítimas de violência policial estiveram presentes.

A polícia, buscando intimidar, revistou a todo momento os jovens na concentração do ato e, ao fim, confrontos foram deflagrados pelas forças de repressão, que atiraram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha, recebendo o troco da juventude, que respondeu prontamente com coquetéis molotov, bombas e pedras. As viaturas foram o principal alvo da rebelião popular. Em torno de 11 jovens foram detidos por resistirem contra a repressão.

O levantamento espontâneo de massas contra a guerra interna do imperialismo francês segue em crescente no país. Esta justa e violenta onda de protestos – que envolve amplos setores empobrecidos das periferias, os chamados banlieues, e setores da pequena-burguesia – iniciou-se quando, no dia 2 de fevereiro, o jovem negro Theo, de 22 anos, foi sequestrado, espancado e abusado sexualmente por 4 agentes policiais (conforme denunciado em AND nº 184). Mais de um mês depois, seguem as mobilizações e tendem potencializar-se ainda mais.

Impunidade aos crimes contra o povo

A impunidade concedida pelo imperialismo francês a seus agentes armados fica latente na “punição” imposta aos criminosos policiais envolvidos no crime de sequestro, espancamento e abuso sexual de Theo.

Os quatro agentes em questão foram afastados de suas funções por apenas 5 meses. Nenhuma punição criminal se desenrolou até o momento. Já o jovem – que tem até hoje sua versão tratada como hipótese – necessitou uma cirurgia na região retal em vista do abuso.

Este caso de impunidade não é exceção. Poucos dias antes, o policial Damien Saboundjian, de 37 anos, foi suspenso por apenas 5 anos de suas funções como policial. Esta foi a “punição” por ter assassinado a tiros Amine Bentounsi, tratado então como um eventual suspeito, em 2012. Nenhuma punição criminal foi aplicada.


Alemanha e Áustria: Grandes feitos do 8 de Março

Informações de grandes mobilizações e marchas realizadas na Alemanha e na Áustria chegaram à nossa redação nesta segunda quinzena de março. Noticiamos a seguir as celebrações e mobilizações realizadas nestes locais.

http://anovademocracia.com.br/186/21a.jpg
Faixa homenageia camarada Norah, Berlim, Alemanha

Na Alemanha, nas cidades de Hamburgo, Berlim, Rostock e Linz am Rhein; e na Áustria, nas cidades de Viena e Innsbruck, foram colados cartazes do Comitê Vermelho de Mulheres e pichações saudando o Dia Internacional da Mulher Proletária e conclamando a despertar a fúria revolucionária da mulher a serviço da revolução proletária. A insígnia  comunista com a foice e o martelo foi marcada nas paredes, deixando claro a luta do proletariado por reconstituir seu partido nestes países.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja