Luta dos Povos Indígenas

A- A A+
 

MS: Campanha pela liberdade de Alexandre

http://anovademocracia.com.br/186/08a.jpgO Comitê de Solidariedade aos Povos Indígenas de Dourados lançou uma campanha pela liberdade do indígena Alexandre Claro, da Aldeia Tey’i Kue, habitada pelos Guarani e Kaiowá, no município de Caarapó (MS).

No dia 05/01, Alexandre foi baleado duas vezes na perna por policias militares, com a alegação de que ele teria “atacado” a viatura dos PMs. Alexandre, que sofre de esquizofrenia e não tinha acesso a tratamento médico há três anos, transitava pelas ruas com um pedaço de madeira, antes de ser abordado de maneira covarde e violenta pela polícia. O indígena não tem histórico violência.

Em nota, o Comitê destaca que, mesmo baleado e no hospital, os policiais algemaram Alexandre na cama. O indígena teve alta no dia 14/01, sendo encaminhado para o Departamento de Polícia de Dourados, no qual ficou detido até ser transferido para a Penitenciária Estadual no mesmo município, local que permanece preso até hoje.

“Pelo fato de Alexandre ter sido diagnosticado com esquizofrenia, ressaltamos a necessidade de uma abordagem diferenciada para o caso. [...] A ação violenta da Polícia Militar é injustificável, remetendo aos agravantes do contexto geral da saúde mental indígena, afetada diretamente por séculos de exploração, genocídio e etnocídio, pelas políticas de confinamento em espaços de reserva e sua não resolução pela via estatal mesmo garantido pela Constituição de 88. [...] Em tempos de barbárie, a defesa da vida passa pela luta e resistência em defesa dos territórios indígenas. Pedir pela liberdade de Alexandre é enfrentar o racismo e as práticas colonizadoras que ainda fazem a terra sangrar pelas mãos de instituições assassinas ”, ressalta trecho da nota.


MS: Prisão arbitrária e protesto por saúde indígena

Com informações do Conselho Indigenista Missionário (Cimi)

Em Amambai, no dia 08/03, Valtenir Lopes, morador do tekoha Kurusu Ambá foi preso quando transportava uma geladeira para o conserto no centro do município. No trajeto entre a área retomada pelos Guarani e Kaiowá e o centro da cidade, o veículo de Valtenir foi parado por uma viatura com dois policiais, que o acusaram de furtar a geladeira de uma fazenda.

“Eu tava sozinho, eles estavam de carro e com a arma apontada na minha direção. Eu falei ‘o que tá acontecendo?’ E ele disse ‘você tá roubando o freezer da fazenda!’ E me bateu duas vezes com o revólver. Eles deram um tiro embaixo de uma perna, mas eu levantei e não pegou. Prenderam o carro e o freezer, que ainda estão na delegacia”, relatou Valtenir ao Cimi.

O indígena foi mantido encarcerado durante quase cinco horas até os seus familiares e lideranças do tekoha Kurusu Ambá comprovarem que a geladeira havia sido adquirida há doze anos. Segundo os indígenas, a prisão de Valtenir ocorreu após uma ligação anônima e provavelmente foi feita por latifundiários locais como forma de criminalizar os Guarani e Kaiowá.

Na manhã de 16/03, cerca de 200 membros das etnias Kadiwéu, Kinikinau e Terena, interditaram trecho da BR-262, na entrada da Terra Indígena Taunay-Ipegue, entre os municípios de Aquidauana e Miranda (MS). O protesto foi motivado pela precarização e sucateamento na saúde indígena, que sofre com a falta de veículos para as aldeias, médicos, medicamentos e utensílios básicos. Na mesma data, os Guarani e Kaiowá ocuparam o Pólo Base de Saúde Indígena.


MS: Morte por atropelamentos

Com informações do Cimi

A morte de indígenas em atropelamentos está diretamente vinculada à luta destes povos pela demarcação dos seus territórios tradicionais.

Em Rio Brilhante (MS), no dia 10/03, Alessandra Sanabrio, de 36 anos, faleceu após ser atropelada nas margens da BR-163 quando retornava do trabalho. O motorista de um caminhão invadiu o acostamento, atropelando a indígena e fugindo sem prestar socorro.

Os Guarani e Kaiowá do tekoha Laranjeira Ñanderu, que fica próximo do local do acidente, bloquearam por algumas horas a BR-163, em protesto contra mais uma morte por atropelamento.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja