95 anos da fundação do Partido Comunista do Brasil (PCB)

A- A A+

http://anovademocracia.com.br/186/06.jpg

No dia 25 de março de 2017, completaram-se 95 anos da fundação do Partido Comunista do Brasil (PCB). Naquele março de 1922, Astrojildo Pereira (jornalista), Hermogênio da Silva Fernandes (eletricista e ferroviário), Manoel Cendón (alfaiate), Joaquim Barbosa (alfaiate), Luis Peres (artesão vassoureiro), José Elias da Silva (funcionário público), Abílio de Nequete (barbeiro), Cristiano Cordeiro (funcionário público) e João da Costa Pimenta (tipógrafo) reuniram-se na cidade de Niterói, no Rio de Janeiro, e fundaram o partido. Inspirados pelos ventos da Grande Revolução Socialista de Outubro de 1917 na Rússia, esses nove representavam 73 comunistas de diferentes partes do país que se propuseram à árdua e gloriosa tarefa de fundar o partido revolucionário do proletariado brasileiro.

Não pretendemos aqui neste curto artigo fazer um balanço dos caminhos ziguezagueantes e das duras lutas de duas linhas entre o caminho revolucionário e o caminho reformista e legalista pelos quais o partido passou ao longo de sua história, tema que já foi profundamente abordado em artigos do Núcleos de Estudos do Marxismo-Leninismo-Maoísmo (NEMLM) publicados pelo jornal A Nova Democracia em 2012, quando dos 90 anos da fundação do PCB. Porém, pela passagem de tão relevante data – um marco resplandecente na história das lutas das classes exploradas do Brasil – ressaltamos a importantíssima iniciativa levada a cabo de forma decidida por aqueles nove comunistas em 1922 e aos milhares de heróis da classe operária que, nas fileiras do partido, sejam os dirigentes conhecidos ou os que a história nunca saberá seus nomes, entregaram generosamente suas vidas pela Revolução Brasileira.


 Destacamos aqui fatos heróicos, como o Levante Popular Armado de 1935, dirigido por um PCB ainda jovem, com 13 anos de existência, fato que até hoje faz tremer as classes dominantes; a cisão com o PCB revisionista de Prestes e a reconstrução do Partido Comunista do Brasil em 1962; e a gloriosa Guerrilha do Araguaia, quando o partido, decidido pelo pensamento mao tsetung, se propôs à tarefa de iniciar a Guerra Popular no Brasil.

Como afirmamos em artigo publicado em nossa edição nº 166, em maio de 2016, Com a derrota da Guerrilha do Araguaia, o assassinato de seu comandante Maurício Grabois e de dezenas de jovens abnegados militantes comunistas pelas tropas fascistas [do regime militar]; o brutal assassinato dos dirigentes Pedro Pomar, Ângelo Arroyo e João Batista Franco Drumond durante uma reunião do Comitê Central em dezembro de 1976, no bairro da Lapa (SP), ademais das prisões e assassinatos de dezenas de quadros revolucionários nas cidades, a esquerda na direção do PCdoB sofrera um golpe definitivo.

Após o episódio conhecido como “Chacina da Lapa”, a luta por um correto balanço da experiência do Araguaia foi sepultada por mil manobras oportunistas de João Amazonas e sua camarilha revisionista e o PCdoB foi liquidado enquanto partido revolucionário. Sob a continuação da sigla PCdoB, Amazonas criou um novo partido revisionista.

E prossegue afirmando que Hoje, as siglas PCdoB e PCB, bem como outras como PCR, PCML, PPS, PSB, etc, isso para não falar do leque de organizações trotskistas que pululam por aí, fundem-se num programa único revisionista e oportunista-eleitoreiro.

Segundo assinalou o Núcleo de Estudos do Marxismo-leninismo-maoísmo em seus artigos, o momento atual em que o partido se encontra é a Segunda Fase da Terceira Etapa de sua história, fase que se dá luta contra o revisionismo e pelo assumimento teórico e prático do maoísmo, cuja solução cabal culminará na sua reconstituição enquanto um Partido Comunista marxista-leninista-maoísta e se abrirá uma Quarta Etapa, a do desencadeamento da luta aberta pela Revolução Democrática, Agrária e Anti-imperialista ininterrupta ao Socialismo.

Recentemente, as Edições Seara Vermelha lançaram o livro Problemas da História do Partido Comunista do Brasil, que contém a compilação dos textos citados ao início da matéria, revisados e ampliados pelo NEMLM. O livro está disponível para compra em nossa Redação. Na obra, o leitor poderá fazer um estudo científico da história do PCB.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja