Torturador de Inês Etienne é absolvido

A- A A+
Pin It

No dia 08 de março, o Judiciário através da primeira Vara Federal de Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, rejeitou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o identificado torturador Antônio Waneir Pinheiro Lima, conhecido como Camarão, pelo crime de estupro da ex-presa política do regime militar Inês Etienne Romeu.

http://anovademocracia.com.br/186/05.jpg
Inês Etienne empenhou sua vida à denúncia dos crimes do regime militar

Organizações democráticas manifestaram repúdio e denunciaram a decisão judicial que mostra clara conivência com os crimes do regime militar fascista. Em nota, o Comitê Paulista Pela Memória, Verdade e Justiça (CPMVJ) manifestou veemente repúdio à “decisão” do Judiciário à qual qualificou como inaceitável e que desconsidera os mínimos direitos democráticos já estabelecidos inclusive internacionalmente pela Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Inês integrou o comando da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) e foi presa em 5 de maio de 1971 pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury, em São Paulo. Foi barbaramente torturada no DOI-CODI paulista e depois transferida para a Casa da Morte, centro de tortura clandestino do regime militar localizado em Petrópolis (RJ), onde foi mantida presa clandestinamente pelos militares durante 96 dias e torturada por 6 agentes da repressão.

Mesmo depois de sofrer as piores torturas Inês Etienne se manteve firme, não delatou nenhum de seus companheiros e prosseguiu denunciando os crimes do regime militar. A partir dos seus relatos foi possível a identificação da Casa da Morte e dos militares executores de torturas.

http://anovademocracia.com.br/186/05b.jpg
Fachada da Casa da Morte, Petrópolis, RJ

Em 2003, aos 61 anos, Inês sofreu um atentado, tendo sua casa invadida por um suposto marceneiro que a agrediu com um golpe na cabeça, resultando em um traumatismo cranioencefálico que a deixou com sequelas de mobilidade. Na ocasião, a polícia do 77º Distrito de São Paulo registrou a agressão como “acidente doméstico” e até hoje o agressor não foi identificado.

Falecida em 27 de abril de 2015, Inês foi a última sobrevivente da Casa da Morte e até os últimos dias de sua vida se empenhou na denúncia dos bárbaros crimes de tortura e assassinatos cometidos contra os presos políticos durante o regime militar fascista.

Por ocasião de seu falecimento, o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (CEBRASPO) publicou à época uma nota em sua homenagem que exigia a punição dos torturadores: “Rendemos nossas homenagens a Inês Etienne Romeu e todos os heróis do povo. Pedimos a punição de seus torturadores e dos mandantes das torturas, bem como de todos os outros criminosos agentes do Regime Militar que até hoje estão impunes. Não punir torturadores é conciliar com esses crimes e reforçar essas práticas que continuam acontecendo nas favelas, no sistema penitenciário e no campo”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia
LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja