Palestina: Presos políticos se rebelam

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Mais de 6.500 prisioneiros palestinos nas masmorras sionistas desencadearam uma greve de fome coletiva no dia 17 de abril. O movimento foi convocado pelo dirigente palestino Marwan Barghouthi, líder da Segunda Intifada. Os prisioneiros, dentre eles 300 menores de idade, reivindicam o fim dos abusos nas masmorras, com término das torturas, o direito à assistência médica e demais direitos fundamentais.

A greve de fome ecoou também nas comunidades palestinas e mobilizou a heroica juventude palestina na Faixa de Gaza.

Por toda a Palestina uma greve geral foi convocada pela Resistência Nacional em apoio à greve de fome dos prisioneiros. Bancos, lojas, fábricas, instituições públicas e transporte público foram paralisados em territórios palestinos ocupados pelo enclave sionista.

No mesmo 17 de abril, milhares de jovens e trabalhadores palestinos marcharam em cidades da Cisjordânia em apoio à greve e suas reivindicações. Em Belém, houve resistência com a tentativa de dispersão empreendida pela repressão sionista.

Nos dias 20 e 21, novas manifestações foram realizadas em Abu Dis, próximo a Jerusalém, e na aldeia de Kafr Qaddum, norte da Cisjordânia, em apoio às reivindicações dos prisioneiros grevistas. A repressão das forças sionistas de Israel foi violenta, com tiros de balas de aço e gás lacrimogêneo, mas não pôde dispersar a juventude, que respondeu com paus, pedras e todo tipo de objetos. Mais de 30 pessoas ficaram feridas.

No dia 2 de maio, o Hamas deu 24 horas à Israel para atender às demandas dos milhares de grevistas. “Advertimos ao inimigo a não ignorar as demandas justas e legítimas dos prisioneiros e lhes damos 24 horas à liderança inimiga para responder. [...] Israel pagará todos os dias o preço do atraso de sua resposta”, respondeu firmemente um porta-voz das Brigadas Ezzedin al-Qassam.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro