A periferia não precisa ser traduzida

Provocou certa polêmica a publicação da pesquisa “Percepções e valores políticos nas periferias de São Paulo”, produzida e divulgada pela Fundação Perseu Abramo no último dia 25 de março. O amplo espectro de posições políticas eleitoreiras se alvoroçou, desde os grupelhos mais à direita, como o MBL, até tendências que se definem como de “esquerda” dentro do próprio PT. A bem da verdade, todos chegaram a uma mesma conclusão: os pobres são de direita.

http://anovademocracia.com.br/188/08.jpg

E enquanto alguns como Elio Gaspari e Delfim Neto se rejubilam com essa falácia, considerando-a um triunfo contra o que chamam de “esquerda”, o PT e outros oportunistas eleitoreiros se ressentem da “ingratidão” do povo.

A pesquisa tinha como objetivo “reunir conhecimento que colabore para reflexão e atualização do projeto político do PT, bem como para fortalecer a disputa de valores na sociedade”.

As entrevistas foram realizadas na periferia de São Paulo, em regiões nas quais o PT vinha vencendo eleições desde o início dos anos 2000, mas onde conheceu derrotas nas farsas eleitorais de 2014 (reeleição de Dilma) e 2016 (derrota de Haddad para a prefeitura).

Aos revolucionários e verdadeiros democratas, o resultado que interessa é o óbvio:

• as gerências petistas fracassaram miseravelmente nas tentativas de corporativizar as massas mais empobrecidas;

• sua força auxiliar e tida como aliada nesse intento, as seitas neopentecostais, cresceram;

• o discurso supostamente “liberal” (consumista e meritocrático) dos entrevistados não são mais que o fracasso do Estado em prover serviços mínimos e das políticas focalizadas das gerências petistas; e

• a identificação do velho Estado como inimigo do povo.

Chama a atenção, sobretudo referente a esse último dado, que na pesquisa não conste nada sobre o genocídio da juventude promovido pela polícia e que aterroriza os bairros pobres. Aos que presidiram a repressão sobre o povo por 13 anos talvez não interesse mesmo saber os reais motivos de sua rejeição.

Os infiéis

É inegável que as recentes derrotas do PT são tratadas como ingratidão por grandes setores do partido. Menos, claro, pela alta burocracia dirigente, afundada no entreguismo e na corrupção, que pensa saber muito bem o que está fazendo.

Os desapontados não se conformam de as pessoas não serem eternamente gratas pelas políticas focalizadas e caritativas ampliadas pelas gerências petistas ou pelo gigantesco endividamento induzido pela estimulação do consumo através do crédito fácil.

Um comentário feito em uma rede social ilustra esse sentimento. Em resposta a um artigo comentando a pesquisa, um leitor que “não reconhece governo golpista” escreveu: “Desculpas sinceras ao mestre, mas ‘o povo é esperto’? Onde? Um povo que elegeu Dória e Alckmin em primeiro turno? Sem falar no Tiririca e outros. O ‘povo’ (não todos, é claro) é ignorante, egoísta, preconceituoso, mesquinho, estúpido e por aí vai. Senão não seríamos o Brasil que estamos vendo”.

Em termos mais educados, o presidente do Instituto Perseu Abramo, Márcio Pochmann, em entrevista ao Instituto Humanitas da Universidade do Vale dos Sinos (IHU-Unisinos), se manifestou assim:

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin