Viva Ibrahim Kaypakkaya!

Passaram-se 44 anos desde o dia em que proletariado turco e os povos oprimidos de todo o mundo perderam um de seus destacados dirigentes, Ibrahim Kaypakkaya. Em 18 de maio de 1973, sua gloriosa vida chegou ao fim após mais de três meses de torturas, as quais ele enfrentou com elevada honradez não delatando nenhum de seus camaradas. Sua prisão havia ocorrido em janeiro deste mesmo ano, quando, após ser delatado por um traidor, foi ferido em combate, mas tendo conseguido fugir, abrigou-se numa cova por cinco dias sofrendo congelações nos pés e nas mãos.

http://anovademocracia.com.br/188/06b.jpg
Ibrahim Kaypakkaya,
destacado dirigente comunista turco

Assim tombou o jovem Ibrahim Kaypakkaya, com 24 anos, menos de um ano após tomar parte na fundação do Partido Comunista da Turquia/Marxista-Leninista (TKP/ML), tornando-se um símbolo da luta revolucionária, democrática e anti-imperialista e fonte inesgotável de inspiração para a nova geração de revolucionários da Turquia e de todos os países.

Nascido em 1949, na província de Çorum, em uma família camponesa, Kaypakkaya estudou Física na Universidade de Ciências de Istambul, a maior cidade da Turquia.  Em novembro de 1968, Ibrahim foi impedido de estudar, após ser expulso da Universidade por tomar parte numa panfletagem contra a chegada da Sexta Frota do USA na região. Depois passa a integrar o Partido Revolucionário de Operários e Camponeses de Turquia (TIIKP), em Anatólia, fazendo parte de sua direção.

Como resultado da luta dura contra o revisionismo no seio da organização e inspirado pelos ventos da Grande Revolução Cultural Proletária (GRCP) na China, Kaypakkaya e seus camaradas, com os aportes teóricos e ideológicos do pensamento mao tsetung (como se denominava o maoismo à época), fundaram o TKP/ML e o Exército de Libertação Marxista-Leninista dos Operários-Camponeses da Turquia (TIKKO), organizações que até os dias atuais prosseguem a Guerra Popular no país. Em 1972, Ibrahim escalou as montanhas junto de seus camaradas, acendendo a primeira faísca da Guerra Popular.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro