O modus operandi dos ianques

Equipes de caça humana. Genocídios praticados por passatempo. Exibir e guardar corpos de jovens afegãos como troféus. Simular confrontos para matar famílias inteiras. Estes fatos, repugnantes para qualquer pessoa, são retratos cotidianos da ocupação militar ianque contra o Afeganistão, que este ano completa 16 anos, sustentada sob a nojenta campanha de “guerra ao terror”.

O relato foi colhido da confissão feita pelo soldado ianque, Jeremy Morlock, hoje com 28 anos, ao tribunal militar do USA. Ele admitiu participar de uma “Equipe da Morte” – como chamava a si mesmo o bando genocida – que simulava confrontos, tendo carta-branca para saciar sua sede incontrolável de sangue. “O plano era matar pessoas, senhor”, confessou o assassino a um juiz em Fort Lea, perto de Seattle, USA, em 2011, conforme denunciado em AND nº 83.

Segundo investigações e relatos, alguns soldados guardavam partes de corpos das vítimas afegãs, incluindo um crânio, como lembrança.

O soldado ianque disse aos investigadores que participou de vários assassinatos entre janeiro e maio de 2010. Em um dos relatos, ele narrou o assassinato de um jovem civil afegão de 15 anos, Gul Mudin, no qual destruíram a cena do crime com uma granada. Crianças, mulheres e até um homem com deficiência mental foram algumas das inúmeras vítimas.

Nesse episódio, o sargento ianque Calvin Gibbs cortou um dos dedos do jovem Mudin e deu ao soldado Andrew Holmes, que também atuava no bando, como um troféu por ter matado pela primeira vez um afegão. Após um período, esse “dedo troféu” foi utilizado como ficha de aposta em um jogo de cartas. Jeremy Morlock, um mês antes de ir para o Afeganistão, já havia respondido a um processo por “desvio de conduta” após queimar sua própria esposa com cigarros.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin