Editorial - Canalhas: vocês ainda não viram nada

Ninguém do cardinalato do capitalismo burocrático brasileiro trabalha com a hipótese de permanência do quadrilheiro Temer no gerenciamento do velho Estado que, para eles, se resume ao mercado, valhacouto de escroques da bolsa, de banqueiros e de especuladores de fundos abutres.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Subjugados aos ditames imperialistas até os fios dos cabelos, por instituições como FMI, Banco Mundial, OMC, ONU e outras, seguem religiosa e subservientemente as orientações de economistas amestrados em universidades ianques, passando por cima de tudo com a conversa de salvar o país da crise.

Estes calhordas contam com o monopólio de imprensa como vozeiro de suas absurdas teses entreguistas ao colocar os humores do mercado acima da crise política, ética e moral que afunda o país num verdadeiro mar de lama. Parceiros de especuladores de todos os naipes, de latifundiários e grileiros, de empreiteiras e transnacionais, negligenciam os verdadeiros escândalos como a dívida pública, a guerra reacionária contra os pobres e o genocídio indígena, enquanto recheiam sua ensebada programação de loas ao empreendedorismo, ao agronegócio, ao individualismo e à moderna forma de exploração.

Os que inventaram a ruína da economia procuram obscurecer a realidade. Eles querem fazer vistas grossas à gravidade da situação com a campanha de que, independente da crise política, o mais importante é salvar o país da crise econômica com as medidas para esmagar ainda mais o povo e entregar o resto da soberania ao imperialismo. Exemplo disto é a posição das associações empresariais para as quais “não importa a cor do gato, o que importa é que ele pegue ratos”, ou seja, para elas, qualquer gerente serve, desde que promova o saque aos direitos dos trabalhadores e ao patrimônio da nação.

No seio do Partido Único pululam propostas de nomes de “ínclitos” patriotas dispostos a se sacrificar no altar da democracia reestabilizando o Brasil no porto seguro da velha ordem. Representantes dos grupos de poder reúnem seus cacifes e sentam à mesa para negociar o preenchimento da vaga gerencial e a proporção que caberá a cada um na repartição do bolo. Por detrás das cortinas Cardoso, Sarney e Luiz Inácio, como farinha do mesmo saco, procuram construir uma saída honrosa para o facínora Temer e ao mesmo tempo livrarem a si mesmos das “garras da lei”, escolhendo um nome que aplaque a ira dos cavalheiros da Operação “Lava Jato”.

De uma coisa eles podem ficar certos: diante de tudo isso, a paciência do povo está chegando ao fim. É tanto abuso e tanto descaramento, safadeza, desfaçatez, canalhice etc., que cairá do cavalo todo aquele que pensar e agir segundo a premissa de que o povo tem sangue de barata e assistirá impassível com apenas apelos pacíficos a essa bandalheira toda. Os ensaios já vistos sinalizam o levantar de labaredas.

Reacionários e oportunistas se esgoelam contra a justa violência das massas gritando: “vândalos!” Vândalos são estas quadrilhas que assaltam a luz do dia o dinheiro público, que desencadeiam uma guerra civil reacionária contra o povo e, como criminosos de guerra, matam o povo nos hospitais caindo aos pedaços, na falta de moradia e de terra para os camponeses, no roubo da merenda das crianças, vendendo a pátria etc.

Podem berrar canalhas, o povo vai se levantar, vocês ainda não viram nada!

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin