30 anos na luta pelas bandas

A- A A+
Pin It
Homem do interior, nascido em Valença, RJ, na década de 30, já nos seus oito anos de idade chegava a “matar aula” no grupo escolar para ir atrás da banda de música ou da Folia de Reis — duas das mais importantes manifestações de arte cultural e popular. Zair Cançado, filho de operários valencianos (a mãe tecelã, o pai ferroviário), irmão de um ex-combatente da Força Expedicionária Brasileira (FEB), viu o tempo passar e com ele muitas bandas em muitas cidades, sempre se emocionando com os acordes das humildes liras ou das grandes filarmônicas.

O destino lhe reservou, já adulto, conhecer na década de 50, um dos maiores vultos da Rádio Nacional, “a maior emissora da América Latina”, o centro artístico da Praça Mauá. Era o médico e radialista Paulo Roberto, mineiro de Ponte Nova, criador de inúmeros sucessos da radiofonia a partir da década de 40, dentre eles o programa A lyra de Xopotó, que sacudiu todo o interior do país durante 10 anos, fazendo reviver a tradição, quase totalmente esquecida, das bandas de música.

Fizeram-se amigos. Zair Cançado passou a secretariar e ajudar a montar os programas de Paulo Roberto. Tornou-se também redator no jornalismo da Nacional e acabou indo, com uma equipe pioneira, instalar a primeira estação de rádio de Brasília, a Nacional da nova capital. Em tempo recorde, ele e seus companheiros de jornada pioneira, puseram no ar, dirigidos por Leony Mesquita, a rádio que hoje transmite, inclusive, para toda a região amazônica. Falecendo em 1973 seu mestre Paulo Roberto, Zair Cançado decidiu, a partir de 1974, dar prosseguimento à divulgação das bandas de música no rádio. Foram treze anos na Rádio Rio de Janeiro — então dirigida por outro amigo, Geraldo de Aquino —, dois anos na Rádio Roquete Pinto, onze anos ausente do microfone e, agora, completando três anos na Rádio Bandeirantes com o programa Vamos ouvir a banda*, com audiência líder.

Ele afirma: “não é fácil levar adiante um trabalho sério e dirigido à verdadeira arte e cultura do povo, como este, numa radiofonia que hoje está completamente modificada e na qual temos que ser o produtor, apresentador e também o corretor dos anúncios. É um desdobramento estafante, principalmente tendo que correr atrás de verbas, sempre escassas para realizações de natureza cultural. Se esperamos pela boa vontade dos órgãos oficiais de cultura, estamos fritos.”

Mas o volume de correspondência enviada ao programa de Zair Cançado na rádio Bandeirantes, oriunda de várias partes do Brasil, consagra o seu trabalho de preservação desta cultura musical.

Ele faz duras críticas ao que chama de sabotagem à tradição das bandas de música, “como, por exemplo, o fato de terem substituído as mesmas nas partidas de futebol, principalmente internacionais, por gravações de hinos dos países, além de não se gravar mais a música das bandas (ao contrário de Portugal, onde esta arte popular merece um tratamento especial). E também de se interromper, como ocorre no estado do Rio de Janeiro desde 1999, o Encontro Estadual de Bandas de Música Civis, que pode ser considerado uma grandiosa oficina musical, congregando habitantes de todas as regiões fluminenses.”

Criado no ano de 1977, este evento da Federação Fluminense de Bandas, da qual Zair foi um dos fundadores, ao lado do grande mestre e compositor Joaquim Naegele, saiu de cena no governo Garotinho.

São muitas as cartas que o radialista recebe dos maestros, dos músicos, dos ouvintes, em apoio à sua luta radiofônica. Não somente as bandas civis, mas também as militares, encontram em Vamos ouvir a bandao seu canal de divulgação — o que fez Zair Cançado receber inúmeras homenagens e até condecorações.

No seu arquivo musical encontram-se todos os gêneros: polcas, maxixes, valsas, marchas, hinos e clássicos, e no seu arquivo de correspondência, relatos emocionantes feitos pelos ouvintes. Com muito orgulho ele aponta para os diplomas que tem recebido, expostos na parede. E já virou nome de música, sendo que há dois dobrados feitos em sua homenagem.

 


* Vamos ouvir a banda é apresentado às sextas-feiras, de 22 às 23 horas, na Rede Bandeirantes de Rádio, Rio de Janeiro, AM 1360 KHZ.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja