No que deu o sindicalismo amarelo

A- A A+

Poposta tida como "consenso" renega princípios trabalhistas e sucateia a Justiça do Trabalho

A proposta consensual firmada no âmbito do Fórum Nacional do Trabalho para as reformas sindical e trabalhista, com clareza manteve o rumo desejado pelo grupo auto-proclamado "dirigente": elitizar e centralizar a direção dos sindicatos; obstruir a democratização das relações sindicais; afastar a base da classe trabalhadora das "negociações" coletivas; reduzir o tanto quanto possível o papel das assembléias; limitar pautas de reivindicações; vincular organicamente os sindicatos às Centrais; reduzir até a extinção a Justiça do Trabalho; impedir a atividade profissional dos advogados no esclarecimento de direitos da classe trabalhadora; "negociar" diretamente conflitos e interesses individuais, dentre outros.

E tudo isso com uma meta bastante clara: desregulamentar o direito do trabalho para sobrepor o "negociado" sobre o "legislado" — tentativa de aprovar, por linhas indiretas, o projeto "Dornelles", que durante o governo Fernando Henrique foi aparentemente tão combatido pelos integrantes do governo federal de agora.

Esta inversão de interesses revela a despudorada ruptura com a esperança plantada durante a campanha eleitoral de 2002 e sob esta ótica devem ser examinados os mais recentes acontecimentos ditados pela política adotada pelo governo dito "popular":

1 Na condução da Reforma da Previdência a tática utilizada pelo governo teve como principal suporte a divisão entre os setores público e privado: os "privilégios" dos servidores em detrimento da "penúria" dos proventos dos demais inativos e pensionistas.

2 A propagandeada "inclusão social" de 40 milhões de trabalhadores "informais" não teve, e não terá, nenhuma sustentação jurídica real, porque não há na proposta aprovada mecanismos que a assegurem e, concomitantemente, a aprovação de uma "reforma tributária" com a única finalidade de "redistribuir" entre União, estados e municípios sequer "toca" na questão central, que é a distribuição da renda.

3Como resultado, as duas reformas em princípio "aprovadas" são meros canais de transferência de rendas da classe média para destinar parte dos recursos (e isso é por enquanto aparente) aos gastos com "inclusão social" e, a parte maior, aumentar as reservas para pagamento de serviço da dívida pública.

4 Por que agora acelerar a "reforma sindical" relegando para um segundo momento a "reforma trabalhista"? A resposta, que me parece óbvia, tem um objetivo muito claro: a "reforma sindical", se conseguir ser amplamente debatida, ainda assim não mobiliza a maioria expressiva da classe trabalhadora, que se mantém distante, apática, indiferente, porque não consegue relacioná-la com as consequências a ser consumadas na "reforma trabalhista".
Com isso reduz-se a um "quase zero" as condições de mobilização dos setores contrários à proposta e, quando tomar corpo a "reforma trabalhista", a nova estrutura dos sindicatos (cupulista e, portanto, concentradora, centralista) já estará delineada para implementá-la.

5 Em síntese, "isolar" uma reforma da outra é uma tática para impedir a classe trabalhadora de enxergar a relação entre a nova estrutura sindical proposta (interesse geral) com a desregulamentação dos direitos trabalhistas (interesse particular imediato), objetivo central da empreitada governista. Isto fica especialmente comprovado pelas declarações do "Lula" no dia 12/2, em audiência ou reunião com jornalistas e com a repercussão na mídia e nas entrevistas com dirigentes sindicais que presidem Centrais, todos proclamando, na mesma linguagem, que as afirmações do "presidente foram precipitadas" e "atrapalharão" a reforma sindical à medida que tornam pública a intenção de "flexibilizar" (desregulamentar) direitos trabalhistas.

6 A obstrução à participação da Abrat e da Anamatra1 no Fórum é uma tentativa de impedir que os advogados e juízes criem um clima de dissensão capaz de abortar as propostas em curso.

7 Necessária, portanto, a mais ampla intervenção no processo, demonstrando em todos os nossos pronunciamentos e ações a inseparabilidade das duas "reformas" para desmascarar a tática "governista".

8A contradição (?) "unicidade X pluralidade" é uma falsa questão. Em nossa maneira de entender são os instrumentos jurídicos de pactuação coletiva que definem a estrutura sindical ("direito de greve", eficácia de eventuais "arbitragens" etc.) e, por isso, venho me contrapondo à proposta "cutista" de "contrato coletivo de trabalho", defendida pelo Ministério do Trabalho e sua assessoria especial que, em sua essência, será mecanismo de sobrepor o "negociado" acima do "legislado". Isto num país que não conseguiu superar até a Lei Áurea, mesmo quando os senhores são "senadores".

9Para o "desmanche" da Justiça do Trabalho (querendo ou não, e por pior que seja, é um obstáculo à implantação definitiva da política liberal) contribuem os próprios juízes, alguns dos quais por instinto de sobrevivência corporativa e outros, nos parecendo, por incapacidade de compreender a conjuntura.

São o exemplos mais nítidos: o Enunciado 363 (que abre uma fenda enorme no coração do sistema legal trabalhista — o princípio de supremacia da realidade na formação dos contratos de emprego); a ferocidade "leonina" no exercício da atividade de "arrecadação" tributária e previdenciária; a tendenciosidade cada vez maior na defesa das "empresas" (abstração jurídica) contra os interesses concretos dos trabalhadores, desumanizando-se as decisões e, para tanto, relegando princípios norteadores do direito do trabalho; sucateamento cada vez maior do aparelho já desgastado da estrutura do Judiciário etc.

É necessário desmascarar essa política de "cúpula" que se caracteriza em verdadeiro "triunfalismo do economicismo liberal", havendo necessidade de um trabalho unitário de todas as forças contrárias à aprovação dessas propostas, sair a campo, denunciando e preparando-se de forma organizada e fortalecida para os novos combates.


*Cláudio Antonio Ribeiro é advogado trabalhista em Curitiba, atual presidente da AAT-PR (Associação dos Advogados Trabalhistas do Paraná), fundador nacional do PT e assessor sindical de diversas entidades.

1 Abrat – Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas; Anamatra – Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho.
LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja