Editorial - O alvo é o povo

A- A A+

Enquanto o criminoso monopólio dos meios de comunicação faz a apologia das notícias mundanas, da guerra de agressão, da pornografia, explora os sentimentos religiosos do povo etc. — e julga ocultar com astúcia a política de subjugação nacional —, o gerenciamento FMI-PT desfere novas e arrasadoras medidas contra o povo.

Mais em evidência, na temporada entreguista de junho, ficaram a “parceria público-privada”, a “lei das falências”, o poder de polícia comum com que rebaixam as forças armadas e o envio de tropas para legalizar e apoiar a invasão ianque no Haiti.

A pretexto de que o país não pode viver fora dos marcos de uma semicolônia, o peleguismo no Planalto declara que o capital monopolista deve contar com mais garantias, desfrutar de regras que assegurem lucros crescentes, de forma a não interromper a estabilidade no processo de exploração do proletariado e na espoliação de nosso país.

Assim, confessa a bancarrota dos cofres públicos quando se trata de realizar políticas públicas —das quais o salário e as garantias trabalhistas fazem parte —, mas “honra” pontualmente os pagamentos de “dívidas” e juros aos agiotas estrangeiros e nativos. Preposto assumido do FMI, o gerenciamento petista aciona a aprovação do imundo PPP (Projeto de Parceria Público-Privada), para transformar montanhas de dinheiro público e força de trabalho não paga no lucro privado dos monopólios.

I Farto em “disposições contratuais” (espaços para manobras), inédito em se tratando de investimentos de uso e apropriação imediata do patrimônio público, de atualização periódica de “remuneração variável ao desempenho do parceiro privado”, na precedência em relação às demais obrigações contratuais para liberação de recursos orçamentários-financeiros, nos privilégios de liquidação de contra-prestações devidas em favor do capital financeiro etc., o PPP tramita livremente no Legislativo. Vale dizer, circula no escuso ambiente dos “acordos de lideranças”

II O mínimo, que desce, serve de biombo para a Lei das Falências, projeto de 1993, que, a exemplo da “reforma” da Previdência, também aguardou a chegada da “administração sindicalista” para desembaraçá-lo.

Recentemente revisado pelo Banco Central, o projeto bem poderia levar o nome de Lei dos Credores. Como destaque, o judiciário praticamente deverá ser substituído pelo apetite voraz de uma Assembléia dos Credores. São reduzidas as oportunidades de recuperação das insolventes. Cai a preferência de créditos trabalhistas e as possibilidades de negociar acordos coletivos que ajustem o passivo trabalhista da empresa à sua capacidade de pagamento.

III O “direito de polícia” para combater a violência (premeditadamente reconhecida pelo Poder apenas no seu aspecto inferior, o da criminalidade), acaba de ser conferido ao Exército pelo governo.

Novamente usarão o Exército para se ocupar da repressão interna — no início a pretexto de voltar-se contra o tráfico, o contrabando de armas etc. —, quando o monopólio das armas de guerra permanece mais quebrado que o do petróleo, já que a PM e mesmo a Civil podem dispor delas, alegando que “os bandidos têm mais armas”. Mas quem as fornece?

Quem comanda o tráfico atacadista? Por que a insistência em negar que é o imperialismo ianque quem encharca a juventude das colônias, e a sua própria, de cocaína, o que permite lucros financeiros e assegura sua dominação política no mundo?

IV Tropas brasileiras ocupam o Haiti, quando o povo brasileiro jamais autorizou o governo a apoiar o imperialismo, nem mesmo contra outro país. O povo exigiu tropas brasileiras na Europa para combater o imperialismo, em particular a sua corrente nazista, mas, é sabido, repudiou veementemente a invasão de São Domingos, um ano após o golpe contra-revolucionário no Brasil. Produtos da contra-revolução de abril de 1964, as administrações que se sucedem ao longo desses 40 anos revelam com admirável nitidez a política de subjugação nacional que as suas medidas imprimem a cada dia.

Mas o que explica a ânsia desenfreada e obstinada com que elas são impiedosamente exercidas contra a nossa nação, e todo o aparato de falsificações teóricas, de partidos ditos “populares”, é o caráter antiproletário do sistema de Estado e de governo vigentes. O alvo principal do imperialismo é a exploração do trabalho, o combate aos movimentos democráticos consequentes, às lutas contra a semifeudalidade e às classes que desejam se unir sob uma única bandeira da independência nacional.
LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja