Ser favorável ao Hamas, por quê?

Paula Lima Gomes1

Quando se estuda e se pensa sobre o conflito Israel-palestino, é comum ouvir algumas indagações. E quando se faz isso, em pleno confronto, como aconteceu a partir de junho de 2014 – sendo este, um confronto que durou 50 dias e provocou 2,2 mil mortes, destas, 67 do lado “israelense” – é provável que se escute: ser ou não ser favorável ao Hamas?

http://anovademocracia.com.br/190/21a.jpg

De forma geral e inicial, talvez vários respondam com poucas fundamentações e uma intuição de justeza. Afinal, defender quem luta pela libertação do povo palestino, já parece correto à primeira vista. Entretanto, é preciso mais. É preciso ir além dessa certa obviedade para quem se propõe a pesquisar e militar em defesa da causa palestina. E é assim, na interseção da teoria com a prática, na maioria das vezes (para não dizer quase-sempre) bem fora da Academia, que se encontram as respostas certas para certas questões, como é o caso das reflexões do presidente Mao Tsetung sobre a contradição principal, o aspecto principal e a natureza da contradição.

Esses conceitos, que fazem parte de toda uma tese maoísta2, serão trabalhados com foco na pergunta inicial deste artigo, não contemplando a totalidade da sua reflexão inclusive no que se refere à aplicação integral da tese ao conflito em questão. E é por isso, portanto, que o artigo trabalhará em torno de duas questões basilares: a apresentação da realidade concreta palestina e a observação desse conflito, enquanto fenômeno, à luz dos conceitos de Mao.

Ocupação, a realidade de um conflito

O “território palestino”, entre aspas3 – que nunca foi o que deveria tê-lo sido – hoje se constitui em duas parcelas desconexas de terra, que podem ser brevemente caracterizadas assim: a Cisjordânia, ao norte, um conjunto de ilhas circundadas por “Israel” e a faixa de Gaza, no centro-oeste, um pedaço longo e estreito de terra, com 365 km2, igualmente controlada pelo “Estado” inimigo. Ambas, visíveis no mapa a apresentado.

http://anovademocracia.com.br/190/21b.jpg

Se tratando de controle, o domínio da Cisjordânia, se dá pelos assentamentos “israelenses” que ocupam o “território palestino” – parecendo uma metonímia geográfica do conflito Israel-palestino – e o controle de Gaza, se dá por meio da ocupação de tudo aquilo que a circunda: mar, céu e terra, o que, neste caso, se trata das fronteiras com o Egito (estreito de Rafah) e o “território israelense”. Caracterizando, de forma inegável, uma relação de subjugação nacional de um (os palestinos) pelo outro (“Estado de Israel”).

Em Gaza, para se ter ideia, o controle chega a tal ponto que a pesca só é permitida até uma certa zona, até 5km a 10km do mar adentro para ser mais exato. E o estreito de Rafah, sua única fronteira por terra fora de Israel, está submetida a um bloqueio total desde 2008 a partir das eleições do Hamas. Em termos logísticos, isso representa, por exemplo, a impossibilidade da entrada de armas, que o Hamas não nega, a circulação de pessoas em busca de refúgio ou tratamento médico e a entrada de suprimentos básicos como alimentos, água, gasolina etc..

Deste modo, mais do que diferenças, como alguns veem o fenômeno, o desenvolvimento desse conflito foi tornando a contradição entre o “Estado de Israel” e a resistência palestina em uma contradição antagônica como entenderemos a seguir.

http://anovademocracia.com.br/190/21c.jpg

Dito isto, falar em ocupação, não é apenas discutir ausência de autonomia, mas denunciar a privação completa de questões essenciais, como ser impossibilitado de pescar um alimento à retornar a própria terra. Ademais, os “territórios palestinos”, que não possuem conexão entre si, também tendem a diminuir como a História e o mapa nos mostram. Pois, em se tratando de “Israel”, que é o aspecto principal da contradição principal, a tendência é ocupar novas e novas terras, sendo esta, a essência de uma nação imperialista.

No mais e fechando este ponto com uma síntese de Ilan Pappe, vale dizer: a história da Palestina, é a história de um processo de colonização como qualquer outro, que de forma inaugural, não suscita a defesa massiva da libertação nacional do povo colonizado, mas sim, uma falácia em torno da “convivência” entre dois Estados com base em uma “solução” que aceite e crie o Estado do colonizador (“Israel”) e do colonizado (Palestina), como se isso fosse pôr fim ao conflito Israel-palestino. O que veremos, à luz dos preceitos de Mao, que nada resolveria.

Em busca de uma resposta

Segundo Mao Tsetung, a contradição existe em todos os fenômenos e é fundamental que reconheçamos a sua existência, principalmente, quando queremos observar, analisar e atuar sobre uma contradição. Dito isto e partindo deste conceito, a contradição para Mao é: “a base das formas simples de movimento (por exemplo, o movimento mecânico) e, por maior razão ainda, das formas complexas do movimento”2 (p. 535), por exemplo, o movimento do conflito em questão.

http://anovademocracia.com.br/190/21aa.jpgResistência palestina exibe seus armamentos

Deste modo, reconhecer a contradição como algo inerente aos fenômenos, é, por conseguinte, reconhecer que existe uma luta de contrários em todos eles – afinal, a contradição também é a “lei da unidade dos contrários”2 – e que essa luta, interna e permanente ao fenômeno, é justamente aquilo que o movimenta e desenvolve. Em outras palavras, para conhecer um fenômeno, é preciso enxergar o “movimento das contradições”.

Entretanto, se tratando do conflito Israel-palestino, como qualquer outro fenômeno, pode-se dizer que existem uma série de contradições, por exemplo: a contradição entre o Hamas e o Fatah4, a contradição entre a esquerda “israelense” e o “Estado de Israel”, a contradição entre o Fatah e o “Estado de Israel”, a contradição entre o Hamas e a esquerda “israelense” e assim sucessivamente. Mas, mesmo que essas e tantas outras contradições existam, existe uma que é a principal. Sendo esta, a contradição que determina o desenvolvimento do fenômeno e que começa a responder a pergunta inicial deste artigo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro