Notas internacionais

Inglaterra: Aprofunda-se a crise do velho Estado

No dia 8 de julho, o governo da arquirreacionária Theresa May sofreu dura derrota na farsa eleitoral convocada pelo seu próprio Partido Conservador para ampliar sua legitimidade e apoio. A eleição que seria realizada somente em 2020 foi antecipada por pressão da mesma legenda que terminou diminuindo sua influência no parlamento.

O tiro saiu pela culatra: na intenção de ampliar suas posições e conquistar maioria absoluta no parlamento, onde já tinham maioria, Theresa May e seu Partido Conservador saíram derrotados, com 12 cadeiras a menos.

Como resultado desatou-se ainda uma profunda crise política interna, pedidos de renúncia e aumento de chantagens das forças políticas reacionárias de oposição que obrigou o governo a fazer alianças com o igualmente reacionário Partido Unionista Democrático para levar adiante seu programa antipovo.

Questão central

O Brexit é sinal do enfraquecimento da própria condição do imperialismo inglês — que está debilitado e sairá ainda mais devastado das mesas de negociações (AND nº 187).

A crise política tem como seu centro o problema do Brexit. Os grupos de poder da burguesia monopolista inglesa se digladiam para decidir os termos do rompimento da “União Europeia” (UE), criando ainda mais instabilidade no intento de se impor cada qual o seu programa.

Isso porque o Brexit debilita profundamente o já débil imperialismo inglês: o rompimento de centenas de acordos comerciais com a “UE”, as multas e condições são duros fardos. No entanto, manter-se na “União Europeia” é cada vez mais submeter-se à direção da Alemanha, que impôs sua hegemonia através dos seus bancos e inversões de capitais. É o dilema que perturba politicamente os grupos de poder no seio da burguesia inglesa e causa crescente distúrbio econômico.

No primeiro semestre de 2017, a economia da Grã-Bretanha desacelerou-se acentuadamente, registrando crescimento de 0,3%. A inflação, desde a afirmativa do Brexit, golpeou o consumo interno.

Crise atiça revolta

Como consequência da crise política e econômica que se agravam mutuamente, aumenta-se a superexploração e opressão do proletariado, composto principalmente por migrantes ou descendentes de migrantes que fogem da guerra imperialista movida no Oriente Médio.

Essas massas são ainda açoitadas pelo chauvinismo e histeria racista fomentadas pelos governos e forças políticas da burguesia, contra a figura do “inimigo muçulmano”.

Assim, em resposta ao crescente empobrecimento e opressão, as massas resistem como podem e, frequentemente, de maneira desesperada, resultando em ações armadas desorganizadas, o que o monopólio chama de “terrorismo”.

Os recentes ataques em Londres que tomaram as páginas dos monopólios de imprensa certamente tiveram influência no fracasso eleitoral do governo, que se elegeu assentado na promessa de “acabar com o terrorismo”, bradando a odiosa retórica chauvinista.

No dia 22 de maio, um homem já havia atropelado dezenas de pessoas na ponte Westminster e esfaqueado um agente da polícia nas imediações do parlamento reacionário. Cinco pessoas morreram.

No dia 3 de junho, duas outras ações foram desatadas em London Bridge, cartão-postal da cidade, e no Borough Market, com atropelamentos e ataques à faca. Ao menos 7 morreram e 48 ficaram feridos. Os atacantes foram mortos e seus nomes e naturalidade absurdamente omitidos pelas “autoridades”. Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin