100 anos da Grande Revolução Socialista de Outubro: Ontem e Hoje

A- A A+
 

Nota da Redação de AND: Dando continuidade a série de artigos em celebração do centenário Grande Revolução Socialista de Outubro na Rússia, publicamos a seguir extratos do texto Ontem e Hoje, escrito por Josef Stalin, camarada de armas de Lenin. O artigo original foi publicado em 13 de junho de 1917 no periódico Soldátskaia Pravda (em português, A Verdade do Soldado) nº 42.

http://anovademocracia.com.br/190/16a.jpg
J. V. Stalin, camarada de armas de Lenin (1917)

A crise da revolução

Três exigências apresentaram Gutchkov e Miliukov1 para não saírem do governo provisório: 1º) restaurar a disciplina, 2º) declarar a ofensiva, 3º) reprimir os internacionalistas revolucionários.

O exército desagrega-se, nele não reina mais a ordem; restaurai a disciplina, reprimi a propaganda de paz, senão pediremos demissão, “anunciou” Gutchkov ao Comitê Executivo na conhecida Conferência do Palácio Mariinski (20 de abril).

Estamos ligados aos aliados, exige-se de nós uma ajuda no interesse da unidade da frente; incitai o exército no sentido de desencadear a ofensiva, tomai providências repressivas contra os que combatem a guerra, senão pediremos demissão, “anunciou” Miliukov na mesma conferência.

O exposto acima aconteceu nos dias da “crise do poder”.

Os membros mencheviques e social-revolucionários do Comitê Executivo fingiram não estar dispostos a fazer concessões.

Em seguida, Miliukov publicou um documento de “esclarecimento” à sua “nota”. Os oradores do Comitê Executivo proclamaram nessa ocasião a “vitória” da democracia revolucionária” e as “paixões se aplacaram”.

Mas a “vitória” mostrou-se ilusória. Depois de alguns dias a “crise” estava novamente declarada; Gutchkov e Miliukov “deviam” ir embora; iniciaram-se inúmeras consultas entre o Comitê Executivo e os ministros, e “ a crise foi resolvida” com a entrada dos representantes do Comitê Executivo para o governo provisório.

http://anovademocracia.com.br/190/16b.jpg
A decisão histórica para um levante armado, 23/10/1917

Os espectadores confiantes deram um suspiro de alívio. Finalmente Gutchkov e Miliukov “foram vencidos”! Finalmente virá a paz, a paz “sem anexações e sem indenizações”. Acabado o massacre fratricida!

Porém, que aconteceu? Nem bem se haviam feito as somas das “vitórias” da chamada “democracia”, nem bem se haviam “enterrado” os ministros demissionários, e já os novos ministros, os ministros “socialistas”, começaram a falar a mesma linguagem que tanto agradava a Gutchkov e a Miliukov! Na verdade “os mortos apegaram-se aos vivos”!

Julgai vós mesmos.

Desde seu primeiro discurso no Congresso Camponês2o novo ministro da guerra, o cidadão Kerenski, declarou que era sua intenção restaurar no exército uma “disciplina de ferro”. O que vem a ser essa disciplina, di-lo de maneira precisa a Declaração dos direitos do soldado3, firmada por Kerenski, pela qual se confere aos comandantes o “direito de empregar a força das armas... contra subordinados que não executem as ordens”, “durante o combate” (vide ponto 14 da Declaração).

Aquilo com que Gutchkov sonhava, mas não ousava pôr em prática, Kerenski “pôs em prática” de um golpe, cobrindo-o com o estrépito das frases reboantes sobre a liberdade, a igualdade, a justiça.

[...]

Não será talvez verdade que a ordem do dia de Kerenski pouco difere, em substância, das conhecidas ordens do dia imperialistas do governo czarista, segundo as quais “devemos combater até a vitória final, devemos expulsar o inimigo insolente das fronteiras de nossa pátria, devemos libertar o mundo do jugo do militarismo alemão…” etc?

[...]

Nenhuma dúvida é possível. A guerra era e permanece imperialista. Os discursos sobre a paz sem anexações, enquanto se prepara de fato a ofensiva, não servem senão para mascarar o caráter criminoso da guerra. O governo provisório colocou-se claramente no caminho do imperialismo ativo. O que ainda ontem parecia impossível, tornou-se possível hoje graças à entrada dos “socialistas” para o governo provisório. Mascarando a substância imperialista do governo provisório com frases socialistas, reforçaram e ampliaram eles as posições da contra-revolução que avança.

http://anovademocracia.com.br/190/16c.jpg

Os ministros “socialistas” são utilizados com êxito pela burguesia imperialista para seus objetivos contra-revolucionários: essa é a situação atual.

Não venceram os ingênuos “democratas revolucionários”, mas Gutchkov e Miliukov, velhos agentes do imperialismo.

[...]

Mas uma coisa é, contudo, fora de dúvida: a política interna do governo provisório está inteiramente subordinada às exigências de sua política imperialista ativa.

Uma só conclusão se impõe.

O desenvolvimento da nossa revolução entrou em uma fase de crise. A nova etapa da revolução, que irrompe em todas as esferas da vida econômica e as revoluciona radicalmente, galvaniza todas as forças do velho e do novo mundo. A guerra e a ruína que a acompanha, aguçam ao extremo os conflitos de classe. A política de acordos com a burguesia, a política de quem manobra entre a revolução e a contra-revolução torna-se claramente uma política fracassada.

De duas uma:

ou ir adiante contra a burguesia para efetuar a passagem do poder às mãos dos trabalhadores, para pôr fim à guerra e à ruína, para organizar a produção e a distribuição;

ou ir para trás enfileirando-se com a burguesia a favor da ofensiva e do prolongamento da guerra, contra a adoção de medidas decisivas para eliminar a ruína, a favor da anarquia na produção e da política contra-revolucionária aberta.

O governo provisório coloca-se claramente no caminho da contra-revolução aberta.

O dever dos revolucionários é o de unirem-se mais solidamente e fazerem progredir a revolução.

_______________________
Notas:

1 - Miliukov e Gutchkov ocupavam respectivamente os cargos de ministro dos Negócios Estrangeiros e ministro do Exército e da Marinha durante o Governo Provisório.

2 - O I Congresso Camponês de Toda a Rússia realizou-se em Petrogrado de 4 a 28 de maio de 1917. No Congresso, os social-revolucionários e os grupos próximos deles estavam em maioria. A imensa maioria dos delegados camponeses das governadorias representava os kulaks, camadas superiores do campo, uma minoria de proprietários de terras.

3 - Decreto sobre os direitos fundamentais dos soldados e marinheiros baixado por Kerenski e aprovado pelos mencheviques e social-revolucionários do Comitê Executivo do Soviete de Petrogrado. Os soldados e marinheiros acolheram-na com comícios de protesto e chamaram-na “declaração da ausência de direitos”.

Referência:

Obras de J.V. Stalin, volume III, 1917, Março - Outubro. Ed. Vitória. Rio, 1953. Traduzido da edição Italiana “Opere Complete”, vol.3, Ed. Rinascita, Roma, 1951.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja