A ciência ameaçada: desqualificação do interesse público e corte de verbas

http://anovademocracia.com.br/190/15.jpg

No dia 22 de abril deste ano, a comunidade científica internacional, e aqueles que sabem da importância da ciência para a sociedade, fizeram manifestações em mais de 500 cidades de mais de 60 países. O ato foi convocado como parte da luta que se passou a travar, particularmente nos Estados Unidos, em defesa do respeito à ciência, como fonte do conhecimento. A ciência como meio de acesso à verdade e ao desenvolvimento parecia um aspecto sem questionamento, mas Trump pôs isto em dúvida.  O presidente dos EUA tem se insurgido contra as pesquisas que demonstram o aquecimento global e até mesmo contra a teoria do evolucionismo da espécie. Não será surpresa se ele determinar a revogação da Lei da gravidade. Ao assumir a presidência, Trump revogou regulações ambientais e designou Scott Pruitt para a direção da Agência de Proteção Ambiental (EPA) – ele que, dentre outras coisas, rejeita a avaliação climática compartilhada pela comunidade científica.

No Brasil, várias cidades, algumas de pequeno porte, mas sintonizadas com o mundo científico, aderiram ao ato.

No Rio de Janeiro, a manifestação ocorreu em frente à Biblioteca Nacional, em uma manhã chuvosa, que não impediu a presença de mais de uma centena de pesquisadores, professores e apoiadores do movimento em defesa da ciência.

As manifestações têm como ponto de partida as tentativas de descrédito da ciência, promovidas pelo presidente Trump em relação a questão climática. No entanto, cada país e cada cidade envolvidos na manifestação do dia 22 tinham algo mais a dizer ou a reclamar.

Mesmo nos EUA, não é só Trump e seus discursos arquirreacionários que motivam a manifestação dos cientistas daquele país. Segundo o presidente da Associação Americana pelo Avanço da Ciência (AAAS), maior associação científica do mundo, Rush Holt, os cortes no orçamento para a ciência e a tecnologia vêm fazendo com que o volume de verba para a área se reduza à metade daquilo com que se contava nos anos 1960. Ainda que se possa lembrá-lo de que àquela época havia uma corrida espacial e a guerra do Vietnã consumindo milhões de dólares a título de pesquisa científica, o fato é que os cortes de verbas orçamentárias públicas têm abalado os grupos de pesquisa nos Estados Unidos.

O orçamento proposto por  Trump para 2018 tem cortes nas despesas das agências de ciência, além da redução de 31%  para a Agência de Proteção Ambiental, objeto central de seu ataque.

No Brasil, orçamento em queda

No último dia 30 de março foi anunciado um contingenciamento de verba para a ciência e tecnologia no Brasil da ordem de 44%.

O gráfico aqui apresentado, divulgado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), demonstra a evolução crescente do orçamento para Ciência e Tecnologia até o ano de 2014, quando passa a cair.

Para 2017, este orçamento está fixado em R$ 2,8 milhões, com o contingenciamento já referido.

O presidente da Academia Brasileira de Ciência (ABC), Luiz Davidovic, diante da situação criada com a medida do governo Temer, disse terem os membros da Academia ficado “perplexos com o corte anunciado na semana passada”. Fazendo uma rápida avaliação do significado desse orçamento, Davidovid comentou se tratar de “um orçamento menor até que o de dez anos atrás, e na época não havia comunicação no ministério”.

No segundo semestre do ano passado, 2016, o Globo entrou em contato com cem membros da ABC e a sua enquete revelou que 23% deles planejavam sair do país, 76% denunciavam a falta de apoio dos governos às pesquisas, enquanto 64%  acusavam a dificuldade na aquisição de insumos para os laboratórios.

Simbolizando a crise, a neurocientista Suzana Herculano-Houzel largou seu laboratório na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e foi trabalhar na Universidade de Vanderbilt, na cidade estadunidense de Nashville. Com Trump, sua decisão a fará ver que o problema não é nacional. É do capital.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro