O pacotaço agrário do gerenciamento Temer

A classe dos latifundiários por meio de sua bancada parlamentar, presente nas diferentes siglas do Partido Único, está em plena ofensiva contra os parcos direitos existentes da população do campo e da cidade. Um conjunto de “Medidas Provisórias” (MPs), “Projetos de Leis” (PLs), “Propostas de Emendas Constitucionais” (PECs), “Projetos de Decretos Legislativos” (PDLs) – ou seja, pacotaços antipovo – busca retirar ou limitar os direitos sobre as terras e territórios de camponeses, indígenas e quilombolas.

http://anovademocracia.com.br/190/06.jpg

Nesse cenário, o gerenciamento Temer/PMDB, no apagar das luzes de 2016, aprovou, no dia 22 de dezembro daquele ano, a “MP 759”, que visa modificar as diretrizes sobre a regularização de terras rurais e urbanas no país.

No dia 24 de maio do presente ano, a “MP 759” foi aprovada na Câmara em “longuíssima” sessão de 10 minutos. Sete dias depois, a draconiana medida foi aprovada no Senado, onde se tornou o “Projeto de Lei de Conversão (PLV) 12/2017” que  foi encaminhado para sanção de Temer.

Apoiando-se no “toma lá, dá cá”, típico da velha politicalha brasileira, Michel Temer, que atravessa a mais grave crise no seu gerenciamento de turno, utiliza o “PLV” como uma “moeda de troca” para conseguir o apoio da bancada latifundiária na aprovação das contrarreformas trabalhistas e previdenciárias.

Mesmo com o resultado pífio de 13 anos dos gerenciamentos oportunistas de Lula e Dilma/PT no que se refere à “reforma agrária”, os latifundiários por meio do gerenciamento Temer, lançam pacotaços como esses para se apoderar de mais terras.

A simples existência de uma política de “reforma agrária”, mesmo que inócua para a resolução da democratização da terra no país, aparece como um entrave aos interesses dos latifundiários, que historicamente têm implantado todo o seu poder e influência para bloquear, reverter ou retirar quaisquer direitos que restrinjam a sua voracidade por terras ou favoreçam camponeses, indígenas e quilombolas.

Nas mãos dos coronéis

O “PLV” modificou os critérios de cadastro e seleção das famílias beneficiárias, buscando de um lado enfraquecer a participação dos movimentos camponeses, do outro, fortalecer o poder dos latifundiários.

Entre as novas regras está a municipalização da seleção das famílias que devem ser assentadas por meio de editais públicos. Este critério permite que os coronéis locais controlem quem será selecionado para a falaciosa “reforma agrária”.

Com essa nova regra, as famílias devem residir no município do projeto de assentamento, ignorando assim intencionalmente o fato de que famílias que ocupam e reivindicam terras em um município, moram em outro. Além de estabelecer que as famílias não precisam estar acampadas para integrar o cadastro da “reforma agrária”, buscando enfraquecer assim as tomadas das terras do latifúndio.

Além disso, o critério da municipalização prioriza as famílias que residem há mais tempo no município do projeto de assentamento, famílias numerosas e chefiadas por mulheres. Elementos que podem ser utilizados pelo latifúndio para manipular as famílias camponesas e lançar massas contra massas.

Mais terras para o latifúndio

O pacotaço de Temer em conluio com o latifúndio visa fomentar o mercado de terras e aumentar o estoque de terras no mercado, tanto com a incorporação de terras ocupadas pelos camponeses assentados, como com a privatização das terras públicas.

O “PLV” traz a regularização das terras com emissão de título de propriedade dos lotes. A emissão do título de propriedade passa a ser de 15 anos para a família que será assentada e 3 para aquela que já está assentada na terra.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin