‘Campeões nacionais’ do capitalismo burocrático

A onda de escândalos de corrupção e o aprofundamento da crise econômica, política, institucional e moral pela qual passa o velho Estado semifeudal e semicolonial brasileiro vêm revelando que entre os pivôs dessa situação estão grandes empresas e seus proprietários que nadaram em dinheiro público durante anos para ampliar seus negócios e assumiram o compromisso de sustentar o grande jogo sujo da política eleitoreira brasileira.

Eike Batista, “campeão nacional” de Lula, é preso por corrupção e crimes contra o mercado | Foto: Luciano Belford / Framephoto
Eike Batista, “campeão nacional” de Lula, é preso por corrupção e crimes contra o mercado | Foto: Luciano Belford / Framephoto

A chamada “política de campões nacionais” fez parte de um plano para sustentar o que ficou conhecido como “neodesenvolvimentismo” do período petista na gerência do velho Estado. Através do BNDES, Luiz Inácio e seu staff selecionaram empresas com capacidade de se tornarem grandes conglomerados nacionais e internacionais (leia-se empresas que, em troca de ajuda estatal para se tornarem monopólios, se comprometiam a irrigar campanhas eleitorais e encher bolsos de muita gente pelo caminho).

A partir de 2008, com o aprofundamento da crise geral da economia mundial, abriu-se a oportunidade de escancarar ainda mais os cofres públicos para beneficiar interesses privados, sob o manto de “geração de empregos”, “salvação da economia” e coisas do tipo. Além de empréstimos a essas empresas, o BNDES investiu em participação acionária.

Sinais da bancarrota, entretanto, não demoraram a aparecer, e hoje há um consenso de que essa política, como tantas outras do gênero no país, fracassou miseravelmente e ainda contribuiu para abrir as entranhas do sistema político/eleitoral brasileiro.

A política de “campeões nacionais” foi oficialmente encerrada em 2013. Os prejuízos se acumulam e as dívidas das empresas escalam a centenas de bilhões de reais. Sua derrocada, entretanto, mais que resultado de má gestão ou corrupção, é fruto da eterna pugna entre as frações da grande burguesia no país, da absoluta incapacidade dessa classe conduzí-lo a qualquer desenvolvimento independente e da sina do oportunismo eleitoreiro de se afiliar aos projetos semicoloniais com discurso nacionalista de araque.

Abaixo, alguns dos ex-campeões e que fim levaram:

LBR Lácteos

A LBR nasceu da fusão entre a Leitbom e a Bom Gosto (que tinha participação acionária do próprio BNDES). Destinada a ser a “Ambev dos leites”, a empresa recebeu R$ 700 milhões do BNDES para realizar a fusão, em 2010. Apenas dois anos depois, a LBR (detentora da marca Parmalat no Brasil), entrou em recuperação judicial e o resultado foi registrado como prejuízo no balanço do banco.

Oi

Em 2008, a gerência de Luiz Inácio forçou a mudança nas regras das telecomunicações do país para possibilitar a compra da Brasil Telecom pela Oi, negócio que envolveu R$ 6,8 bilhões do Banco do Brasil e do BNDES, além da participação de fundos de pensão, num negócio de R$ 12,5 bilhões.

Em 2013, a Oi comprou a Portugal Telecom por R$ 8,23 bilhões, numa transação cheia de tramoias, que acabou elevando a dívida da empresa.

O maior pedido de recuperação judicial do Brasil veio em junho de 2016. A Oi acumulava dívidas de R$ 65,4 bilhões e, na época, seu valor de mercado era avaliado em R$ 800 milhões (em 2012, chegou a R$ 21,3 bilhões).

A participação do BNDES na Oi é de quase 6%, sendo seu maior acionista individual.

Odebrecht

Segundo relatório do Tribunal de Contas da União, a Odebrecht recebeu 81,8% dos empréstimos do BNDES destinados a obras de infraestrutura fora do país. O montante chega a R$ 31,7 bilhões de 2007 a 2016.

Conhecida como empreiteira, a Odebrecht se expandiu como um polvo, criando subsidiárias nas áreas de petroquímica (Brasken), óleo e gás, agroindustrial, defesa e tecnologia, negócios imobiliários, transportes, indústria naval, água e esgoto e sabe-se lá o que mais.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro