O nacionalismo latifundiário do sr. Villas Boas

No último dia 22/06 o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, interveio na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) do Senado. Seu discurso foi encarado como “nacionalista” por políticos e páginas ditos de esquerda. Vale a pena, sobretudo no contexto atual, dar uma olhada mais de perto no que consiste esse “nacionalismo”, a quais classes e interesses objetivamente ele serve.

Comandante do Exército, general Villas Bôas, com Michel Temer, em 2015 | Foto: Eduardo Dias da Costa
Comandante do Exército, general Villas Bôas, com Michel Temer, em 2015 | Foto: Eduardo Dias da Costa

O cerne da fala do general voltou-se para a defesa de um “projeto nacional” para a Amazônia, capaz de fomentar o seu “desenvolvimento”. Disse que a região, cujas riquezas o próprio Exército avalia em U$ 23 trilhões, carece de “polos intensivos para empregar aquela grande mão de obra, impedindo que ela vá viver do desmatamento extensivo”. Disse-se “preocupado” com a “abertura para a exploração das riquezas minerais por empresas de fora”. Mencionou, nesse sentido, que o Exército tem levantamentos sobre a “estranha coincidência” entre a demarcação de terras indígenas com a presença de riquezas minerais. Ainda sobre os povos indígenas, disse que estes são as “maiores vítimas” da situação atual, sendo “usadas” por interesses ligados ao ambientalismo e depois “abandonadas à própria sorte”. Vaticinou, num estilo grandiloquente tão comum em seu meio, que “ao Brasil não resta outra alternativa a não ser tornar-se uma potência”.1

Chamou atenção, como já disse acima, a deferência – para não falar bajulação - com que foi tratado na reunião por senadores ditos de esquerda como Lindbergh Farias (PT) e Vanessa Graziotin (Pecedobê). O senador Cristovam Buarque, que faz o tipo “nem contra nem a favor, muito pelo contrário”, lamentou que muitos setores da sociedade brasileira ainda se prendam a definições ideológicas da guerra fria, “anacrônicas”. O blog Brasil247, ligado ao PT, estampou, certamente distorcendo (como lhe é característico) o que disse o militar: “Chefe das Forças Armadas condena entreguismo de Temer”. Pela milésima vez esses renegados da esquerda e da luta popular fazem coro com a opinião que apregoa uma suposta “vocação nacionalista e democrática” do Exército Brasileiro, o que, realmente, é uma completa ilusão, um embuste completo – tal “vocação” eterna e imutável não existe, de fato, em nenhuma organização social em geral e muito menos numa força repressiva em particular, que serve sempre a determinadas classes, dos grandes burgueses e latifundiários. Esse é o abc, e ter de lembrá-lo mostra o quanto esta gente está distante de qualquer referencial minimamente ligado ao materialismo histórico e, portanto, de uma concepção de esquerda.

Passemos ao discurso do general, isto é, à essência da questão.

Primeiro, a defesa do “desenvolvimento” como remédio para todos os males, conceito siamês da Doutrina de Segurança Nacional que desembocou no golpe de 1964 (“Segurança e Desenvolvimento” era o seu lema). Desenvolvimento para quem, afinal? Para os empreiteiros e grandes proprietários “nacionais”, beneficiados com a construção de rodovias para escoar a nossa produção in natura, modelo tão típico dos anos de regime militar (e que, grosso modo, segue vigente)? Defender o desenvolvimento assim em geral, reduzido quase que ao seu aspecto meramente quantitativo, segundo a velha fórmula do bolo de Delfim Neto, “esquecendo” que no capitalismo – particularmente no de tipo burocrático – ele nada mais é do que o enriquecimento de alguns e o empobrecimento de milhões, nada tem de progressista: é o velho discurso reacionário de identificar Estado, Povo, Nação e Classes como uma coisa só. É escamotear, no interior das fronteiras nacionais, a exploração desapiedada de uns sobre os outros, o antagonismo e os choques inevitáveis entre opressores e oprimidos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin