RO: Dirigente camponês é assassinado

Na tarde de 6 de julho, o dirigente camponês Ademir de Souza Pereira, de 44 anos, foi covarde e barbaramente assassinado no bairro de Conceição, na Zona Sul de Porto Velho (RO).

RO: Dirigente camponês é assassinado

Ademir Pereira era militante da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) e coordenador do Acampamento Terra Nossa, situado em Ariquemes, no qual os camponeses lutam pelas terras da fazenda Tucumã, em Cujubim.

O dirigente camponês estava na capital do estado junto com a sua esposa e outros três companheiros, onde participava de uma reunião com Cletho Muniz de Brito, superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), para tratar de uma série de reivindicações.

Conforme informações das testemunhas ao monopólio de imprensa (G1), o camponês conversava com um funcionário de um lava jato na Rua Viçosa com a Rua Algodoeiro, quando dois homens em um carro de cor preta se aproximaram e um dos homens efetuou vários disparos de pistola calibre 9 milímetros contra Ademir, que tentou correr, mas foi atingido e, depois de cair, foi executado com um tiro na nuca, falecendo no local. Segundo a esposa da vítima, o assassinato pode estar relacionado às ameaças de morte que vinham sofrendo de um latifundiário da região do Vale do Jamari.

Na noite de 7 de julho, ocorreu o velório do dirigente camponês em Ariquemes, que contou com a presença de familiares e companheiros de acampamento. Durante toda a noite veículos pertencentes a latifundiários da região circularam pelo local, observando e buscando intimidar as pessoas presentes no velório.

Por volta das 22 horas, um mototaxista entregou um bilhete para as pessoas que se encontravam na entrada da casa onde ocorria o velório. O bilhete continha um desenho, no qual eram representados um homem, uma mulher e três crianças com cruzes em cima de suas cabeças. O desenho do homem, que representa Ademir, aparecia riscado com um X e os outros desenhos em aberto, uma clara ameaça à vida da esposa e dos três filhos de Ademir.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin