‘Terrorismo’: lei vaga facilita extradições

Até há bem pouco tempo, não havia, no Brasil, conceito legal de terrorismo. Nem fazia falta, pois esse sempre foi um problema inexistente por aqui, salvo pelo terrorismo de Estado.

Em 17 de março de 2016, um mês antes de ceder compulsoriamente seu lugar ao agora virtualmente deposto Michel Temer, Dilma V. Rousseff encontrou tempo para promulgar a Lei 13.260, fechando com chave de ouro um gerenciamento que, desde 2013, reprimia militarmente a pobreza com o Exército na favela da Maré e os protestos contra a Copa das Confederações no Rio de Janeiro, além das manifestações contra a Copa da Fifa e as Olimpíadas em todo o país fazendo uso da Força Nacional de Segurança.

A pretexto de definir o que é terrorismo para fins legais, essa lei descreve de forma vaga – portanto, facilmente extensível – uma série de condutas que passam a ser passíveis de enquadramento como tal. A primeira consequência prática de seu uso foi tratada por Igor Mendes em AND nº 188: condenações a até 15 anos de cadeia por “atos preparatórios” para pessoas que nem mesmo se conheciam ou moravam no mesmo estado, mas que o Judiciário entendeu constituírem, por meio da troca de mensagens telefônicas, uma “célula terrorista”.

Outras graves consequências

“Terroristas” é um rótulo aplicado, com frequência em todo o mundo, contra revolucionários, democratas e lutadores populares. E não só para fins de contrapropaganda: quando essas pessoas tentam ou conseguem refúgio em outros países, é o eterno pretexto dos Estados que pedem suas extradições.

Tanto o revogado Estatuto do Estrangeiro quanto a nova Lei de Migração permitem ao Supremo Tribunal Federal (STF) entregar autores de crimes políticos se julgarem que seus atos implicam terrorismo. Mas, desde o trauma histórico da extradição de Olga Benário, em 1936, o tribunal foi refratário a esses pedidos, e o Brasil, um local relativamente seguro para perseguidos de outras nações. As exceções foram os sequestros da Operação Condor durante a fase de gerenciamento militar-fascista; mas eram levados a cabo clandestinamente, sem intervenção judicial.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin