Combativa greve de professores se espalha pelo Peru

A massiva e combativa greve de professores do Peru, iniciada na região de Ayacucho em meados de junho, se espalhou pelo país, principalmente nas regionais de Huamcavelica e Lima, onde o movimento tem tomado caminhos mais  consequentes apesar do bloqueio do monopólio de imprensa.

No dia 11 de julho, o protesto popular se realizou na estrada de ferro que liga Cusco a Machu Picchu, importante destino turístico peruano. Os manifestantes chegaram a arrancar os trilhos da estrada de ferro.

Em 15 de julho, uma manifestação de milhares de professores chegou ao aeroporto Alejandro Velasco Astete, no qual derrubaram cerca de 10 metros e fizeram vários buracos ao longo do muro que marca o perímetro das instalações. Na ocasião foram registrados diversos choques entre os manifestantes e as forças de repressão que atacaram o justo protesto com bombas de gás lacrimogêneo. Nesse episódio, a greve se ligou a um movimento que quer impedir a construção de um novo aeroporto na região, desalojando dezenas de famílias.

No departamento (estado) de Madre de Dios, os professores bloquearam a via de acesso ao Aeroporto Internacional José Aldamiz, de Puerto Maldonado, no dia 18 de julho.

No dia 20 de julho, o “governo” peruano decretou estado de emergência em vários distritos da região de Cusco e em Juliaca, departamento (estado) de Puno. Em Juliaca se localiza o aeroporto Inca Manco Cápac, palco de um combate entre professores grevistas e policiais,  que reprimiram uma tentativa dos manifestantes de tomarem o aeroporto no dia 10 de julho.

O estado de emergência decretado suspende por 30 dias os “direitos constitucionais vinculados à liberdade e segurança individuais, o livre trânsito, o direito de reunião e permite que se realizem detenções sem ordem judicial”.

Estado de emergência

A decretação do estado de emergência, entretanto, não deteve os protestos, principalmente em Cusco, e passou a ser duramente criticado por representantes do setor do turismo e outros, que pressionam para que o “governo” abra negociações sérias com os professores.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin