Rio de Janeiro - Polícia intensifica o extermínio nas favelas do Rio

Em julho, as polícias Civil e Militar intensificaram o extermínio de pobres nas favelas do Rio de Janeiro. Para legitimar a matança, desde maio o secretário de segurança pública do estado, Roberto Sá, tem recorrido periodicamente ao monopólio dos meios de comunicação para ampliar sua propaganda reacionária de incremento do aparato repressivo da polícia, endurecimento das penas contra os pobres e o intercâmbio de inteligência e tecnologia entre as polícias brasileira, ianque e paraguaia.

CPDoc . JB
Corpos dos jovens (11 a 19 anos) assassinados na Candelária em 1993
Corpos dos jovens (11 a 19 anos) assassinados na Candelária em 1993

— Vamos trabalhar forte com a Polícia Federal, com a Polícia Rodoviária Federal com o DEA [Órgão para o Controle/Combate das Drogas do USA] e com a polícia paraguaia, porque nós entendemos que essa integração é muito importante para minimizar o problema — disse o secretário em evento de inauguração da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme).

Indignação e protesto

Nos meses de junho e julho, conforme noticiado nas edições 191 e 192 de AND, as polícias vitimaram dezenas de pessoas, entre elas Marlene Maria da Conceição, de 76 anos, e sua filha, Ana Cristina Conceição, ambas assassinadas em uma operação da PM no Morro da Mangueira, Zona Norte da cidade, no dia 30/06.

Ellan Lustosa/AND
Familiares de vítimas em manifestação na frente da Candelária, 18/07/2017
Familiares de vítimas em manifestação na frente da Candelária, 18/07/2017

Em repúdio à ação criminosa da polícia, moradores bloquearam a Avenida Radial Oeste com barricadas e incendiaram um ônibus no local. Policiais da tropa de choque reprimiram com bombas de gás lacrimogêneo e tiros de bala de borracha e foram respondidos com pedras, paus e garrafas.

Sucessão de massacres

No dia 10 de julho, mais um massacre. Policiais do BOPE fizeram uma operação na Cidade de Deus, Zona Oeste da cidade, que terminou com duas pessoas mortas e dez pessoas feridas, entre elas uma senhora de 82 anos. Elydia Roberta de Ramos estava no portão de casa, na localidade conhecida como Praça dos Garimpeiros, quando policiais entraram na Cidade de Deus atirando a esmo. Um dos disparos atingiu dona Elydia na perna esquerda.

Os mortos foram identificados como Ygor Pereira de Oliveira, de 19 anos, baleado na localidade conhecida como Quinze; e Luiz Felipe da Silva, de 23 anos, atingido na localidade do Caratê. Assim como os feridos, ambos foram levados para o Hospital municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, mas já chegaram ao local sem vida.

— Moramos aqui desde 1967. Já estamos acostumados com barulho de tiros. Mas foi a primeira vez que uma bala entra na nossa casa. Ainda bem que foi de madrugada. De manhã poderia acertar uma criança — contou o vigia Vando Souza, de 63 anos, cuja casa funciona como uma escola de reforço para crianças da região.

Segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) do Rio de Janeiro, de um total de 66 pessoas atingidas em operações da polícia no Rio somente esse ano, 95% delas são moradoras de favelas. Foram 1.771 casos de ações policiais que resultaram em tiroteio somente em 2017 segundo o aplicativo Fogo Cruzado. No primeiro trimestre de 2017, o número de homicídios dolosos cresceu 26% em relação ao mesmo período de 2016 e o de mortes decorrentes de operações policiais, 85%. E não para por aí. Segundo o levantamento do ISP, no mesmo período, cresceu 25% o número de jovens menores de 18 anos mortos em operações policiais.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro