Índia: PCI (Maoista) chama a celebrar Naxalbari

O Comitê Central do Partido Comunista da Índia (Maoista) convocou todo o Partido, os combatentes e as massas, na Índia e no estrangeiro, a celebrar o Levantamento de Naxalbari.

Treinamento do Exército guerrilheiro em Chhattisgarh
Treinamento do Exército guerrilheiro em Chhattisgarh

O Levante de Naxalbari foi o episódio que deu início à guerra popular na Índia, dirigida naquele momento pelo Partido Comunista da Índia (Marxista-Leninista), sob a chefatura de Charu Mazumdar.

A grande rebelião de Naxalbari é resultado da aplicação criativa do Marxismo-leninismo-pensamento Mao Tsetung, do caminho da Guerra Popular Prolongada para a construção do Exército Popular, com vistas à realização da Revolução de Nova Democracia, e da tomada do poder por meio da luta armada em diversas zonas, libertando primeiro as áreas rurais e cercando finalmente as cidades para, dessa forma, controlar todo o país, dadas as condições específicas da Índia. É um golpe assestado no revisionismo que havia se arraigado profundamente na Revolução Indiana. É uma parte inseparável da Revolução Socialista Mundial. Deslindou os terrenos entre o revisionismo e o pensamento guia do Marxismo-leninismo-pensamento Mao Tsetung. Representou um começo extraordinário para a formação do Partido Revolucionário maoista, assim como para o início de um processo, uma estratégia, um método de luta e um método de direção, políticos. Em certo sentido, trata-se de um giro fundamental e de um salto qualitativo na história da Revolução indiana”, estabeleceu o Comitê Central do PCI (Maoista) no comunicado.

As questões que suscitou Naxalbari teve uma importância histórica determinante. A luta atual assenta-se sobre elas”.

“Os autênticos revolucionários extraíram valiosas lições de Naxalbari e entregaram-se de corpo e alma ao desenvolvimento do que Mao chamou de três armas mágicas: o Partido, o Exército Popular e a Frente Única. O movimento revolucionário rebrotou de novo como uma grande onda. As forças revolucionárias se reorganizaram”, destacou o Comitê Central.

O Comitê Central evidenciou ainda como a aplicação e maior assumimento da linha revolucionária da Guerra Popular desfraldada em Naxalbari (1967), tem alcançado grandes vitórias hoje, sob a direção do Partido Comunista da Índia (Maoista).

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

As classes exploradoras e dominantes efetuaram grande número de ofensivas militares e diversas campanhas, desde a chamada ‘Steeplechase’ até a Operação ‘Caçada Verde’, sem alcançar nos últimos 50 anos a derrota da luta”. “Constituíram-se Comitês Populares Revolucionários em muitas zonas estratégicas da Índia, que constituem um poder alternativo do povo. O povo expulsou os capitalistas compradores das zonas de Singur, Nandigram, Lalgarh, Lohandiguda, Dhurli-Bhansi e Paradeep. Dandakaranya e Bihar-Jharkhand converteram-se em centros da luta das massas contra as políticas das classes dominantes. É por isso que as classes exploradoras e dominantes, tal como seus amos, anunciaram uma guerra total em ditas áreas”.

No comunicado, o Comitê Central ainda denuncia a maior ofensiva contrarrevolucionária que prepara o velho Estado contra os maoistas, os democratas e as massas, sobretudo contra as massas camponesas.

Em uma reunião celebrada em Delhi, estabeleceram-se diversas estratégias para acabar com o movimento revolucionário do país, em uma decisão que carece de precedentes nos últimos cinco decênios. Definiram aplicar políticas para intensificar a guerra contra o povo, com a forte decisão de eliminar o legado de Naxalbari e dos atuais maoistas. Não haverá limites no uso de drones e helicópteros nos céus; a polícia, o Exército e as forças paramilitares, sobre o terreno, prosseguirão com seus ataques, assassinatos, atrocidades, saqueios de casas, destruição de colheitas e assalto de aldeias. Se multiplicarão os ataques contra os democratas, estudantes, intelectuais, patriotas, nacionalistas, funcionários e forças populares nas cidades”.

Chegou o momento de fazer frente com toda a firmeza a esta difícil situação e de impulsionar a linha revolucionária de Naxalbari. Todas as forças revolucionárias, que têm enfrentado muitos obstáculos para defender a linha de Naxalbari, devem considerar as condições atuais como um desafio e declarar com total firmeza que a linha de Naxalbari vencerá”, concluiu.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro