USA envia mais tropas contra Afeganistão

A- A A+
 

Rahmat Gul/ AP Photo
Afegãos queimam bandeira ianque, leste de Cabul, 2012 - Rahmat Gul/ AP Photo
Afegãos queimam bandeira ianque, leste de Cabul, 2012

O USA está enviando mais tropas para o Afeganistão, confirmou o general Joseph Votel, comandante das tropas ianques no Oriente Médio, no dia 22/08. Os efetivos devem chegar “em alguns dias ou semanas”, afirmou J. Votel.

Embora o número exato oficial não tenha sido revelado, o monopólio da imprensa Fox News afirmou que o arquirreacionário Donald Trump autorizou o envio de mais quatro mil soldados.

Um dia antes da declaração do general ianque J. Votel, Trump pronunciou-se sobre as novas movimentações do USA na guerra contra o Afeganistão.

“Não diremos mais quando iremos atacar, simplesmente atacaremos”, afirmou Trump na ocasião. Ele disse também que a nova estratégia do USA será não revelar planos ou ataques previamente.

Resistência responde

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia
“Se o USA não retirar suas tropas, o Afeganistão se tornará em breve um cemitério para esta superpotência do século XXI”, afirmou em comunicado o porta-voz do Talibã no Afeganistão, Zabiullah Mujahid, no dia 22/08, após pronunciamento de Trump.

“Simplesmente estão desperdiçando soldados ianques. Sabemos como defender o nosso país”, ressaltou o comandante, que exigiu a retirada das tropas ianques do Iraque.

O porta-voz afirmou também que “enquanto houver um soldado do USA em nossa terra impondo-nos a guerra”, o Talibã — principal força da Resistência nacional afegã — seguirá respondendo com a guerra de resistência.

Ianques se afundam em derrotas

Segundo apontam analistas do New York Times (porta-voz do monopólio da imprensa ianque), depois de 16 anos de guerra — a maior da história dos Estados Unidos — a Resistência não está apenas longe de ser derrotada, mas está ganhando terreno. Avaliam que os combatentes evoluíram: são mais tenazes e mais experientes do que no início da invasão, em 2001.

Agora é o momento [para a Resistência] renunciar à violência e reconciliar. Um Afeganistão pacífico e estável é a vitória para o povo afegão e o objetivo da coalizão [Otan]”, sugeriu o general ianque John W. Nicholson, após o pronunciamento de Trump. Nicholson afirmou acreditar que a Resistência “não pode vencer a guerra”.

No entanto, segundo o major-general do Exército títere afegão, Abdul Jabar Qahraman, a Resistência controla já 60% do território e vem ampliando seu domínio.

Segundo analistas, a Resistência é capaz de criar barreiras e emboscadas em quase qualquer parte do país e ditando o ritmo dos combates. Embora a Resistência evacue das capitais provinciais durante as ofensivas militares, quando retomadas, as forças pró-USA ficam absolutamente cercadas e são obrigadas a se retirar.

A Resistência nacional afegã é composta por todos os grupos e classes que resistem à ocupação ianque, dentre os quais o Talibã é hoje a principal força.

O Talibã também afirmou que não há chances para conversas de paz que não seja para assinar a retirada e rendição dos ianques.

O último líder talibã que defendeu conversações de paz, o mulá Akhtar Muhammad Mansour, foi morto em um bombardeio por drones ianques no ano passado, tal como noticiado em AND nº 170.

Os planos ianques, que há tempos previam a aniquilação completa da Resistência, hoje se resumem a impedir o desmoronamento do “governo” títere.

“Um impasse que leve a um equilíbrio é importante para o governo [afegão]”, afirmou o general ianque Nicholson em pronunciamento no Congresso, em fevereiro.

O Afeganistão também está corroído politicamente por uma crise moral e institucional.

As eleições, questão chave para o imperialismo estabilizar o país, não conseguem angariar confiança e nem mesmo realizar-se. As últimas ocorridas para eleger o Executivo, em 2014, foram regadas com corrupção, compra de votos e fraudes à luz do dia.

“Você não pode ganhar essa guerra matando-os. Sempre haverá mais”, afirmou o general afegão aposentado, Abdul Jabbar Qahraman.

“Nós não vamos nos render. Não vamos desistir. Lutamos nesta guerra por 16 anos”, disparou Hajji Naqibullah, comandante do Talibã na província de Candaar.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja