Mineração na África se alimenta de sangue

Reuters
Jovens e crianças trabalham sob a mira de fuzis em Coltan, Congo (Reuters)
Jovens e crianças trabalham sob a mira de fuzis em Coltan, Congo

A África é o continente mais massacrado, dilacerado por conflitos armados (agressões imperialistas e guerras civis), espoliado pelo imperialismo em partilhas e repartilhas,  onde a miséria nos apresenta as imagens mais impactantes e perturbadoras. Entretanto, são relativamente escassas nos meios de comunicação tradicionais as informações sobre a exploração dos recursos naturais e matérias-primas provenientes da África, bem como dos conflitos e da resistência popular à destruição provocada pelos grandes projetos de mineração, exceto quando atingem dimensões de tragédias internacionais.

Invariavelmente as guerras fratricidas na África têm como pano de fundo o controle de reservas de metais ou pedras preciosas, ou outros minerais estratégicos para as transnacionais. Hoje em dia, pouca gente se dá conta de que, enquanto sonha com a compra do próximo smartphone, milhares de africanos se esfalfam em trabalho servil ou pessimamente remunerado nas minas de columbita-tantalita (coltan), tungstênio, ouro e outros metais essenciais para a indústria eletroeletrônica.

Em geral, o que se vê como característica da resistência popular a grandes projetos de mineração na África é diferente da América Central, por exemplo.

Os centro-americanos, em movimentos mais organizados e massivos, conseguem algumas vitórias, mesmo que temporárias, pressionando o velho Estado a proibir ou procrastinar a instalação de projetos mineradores.

Já os movimentos de resistência africanos esbarram, além das dificuldades comuns a todos os povos em luta, em disputas étnicas que não respeitam as fronteiras dos países, já que o problema nacional naquele continente é muito mais complexo. Assim, os Estados muitas vezes nem se dão ao trabalho de regular conflitos desse tipo, que acabam desembocando em confrontos de grupos paramilitares, isso quando já não estão imersos em guerras civis.

Entretanto, nenhuma dúvida paira sobre o caráter desses Estados semicoloniais, sempre prontos a atender as requisições imperialistas o mais rápido possível, eliminando barreiras e escancarando reservas naturais e parques nacionais à sanha dos monopólios.

Moçambique

O caso mais recente noticiado pelo monopólio da imprensa internacional envolve o assassinato, em 13/07 último, de um jovem de 25 anos, Hussem António Laitone, membro da comunidade Nhanchere, na vila Moatize, que resiste contra a tomada de seu território pela Vale Moçambique, uma operação da “brasileira” Vale naquele país.

Hussem foi baleado em casa, durante protesto dos moradores, que exigem abertura de acessos para a área da Vale, onde ficam o pasto de seu gado e área de coleta de lenha da comunidade.

Nigéria

A região do Delta do rio Niger é palco da extração de petróleo desde a década de 1950. É quase impossível mensurar os imensos impactos ambientais e sociais provocados pela atividade.

Os protestos populares são respondidos não só pela repressão oficial do velho Estado, mas também por grupos paramilitares locais, com detenções ilegais, torturas, execuções e desaparições.

O assassinato do poeta e líder comunitário Ken Saro Wiva, em 1995, deu repercussão internacional a esse conflito, mas o acesso ao judiciário na Nigéria (como em quase todas as semicolônias) é quase impossível, e ninguém foi punido.

África do Sul

O assassinato de Sikhosiphi Radebe, no dia 22/03 deste ano, expôs ao mundo a resistência da população do Cabo Oriental, na África do Sul, contra a instalação de uma mina de titânio no litoral do Oceano Índico e a construção de uma rodovia para facilitar o trânsito dos veículos da mineração.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro