França: Macron quer mais exploração

A- A A+

O governo reacionário de Emmanuel Macron apresentou sua contrarreforma trabalhista para precarizar e superexplorar o proletariado francês, no dia 31/08.

Entre os pontos mais absurdos da contrarreforma, destaca-se a proposta que visa aumentar a carga horária de 35 para 60 horas semanais, dando aos monopólios a possibilidade inclusive de impor turnos de até 12 horas.

Ao fundo, cartazes do Partido Comunista Maoista da França
Ao fundo, cartazes do Partido Comunista Maoista da França

A proposta visa ainda restringir o direito à hora extra e folgas em alguns casos. A isso soma-se a proposta dos monopólios imporem as jornadas aos trabalhadores individualmente, à margem das negociações diretas com a associações sindicais.

Outra medida visa facilitar as demissões de trabalhadores aos monopólios transnacionais, diminuindo o valor anteriormente estabelecido da indenização a ser paga ao trabalhador demitido.

Macron também anunciou que estas medidas não passarão pelo crivo e emendas do legislativo, mas serão aprovadas diretamente via decreto presidencial e posteriormente sancionadas pelo parlamento.

As massas pagam pela crise

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza