Poesia do povo

Christiane Félix de Barros, poetisa democrática e popularPoetisa democrática e popular, Christiane Félix de Barros, carioca do bairro de Santa Cruz, zona oeste do Rio de Janeiro, faz poemas que falam, entre outros assuntos, da questão social e resistência do povo contra a opressão e exploração do capitalismo burocrático em nosso país. Com sete livros escritos, sem conseguir publicar por questões financeiras, Christiane espera uma oportunidade para mostrar o seu talento e seus pensamentos.

— Escrevi muitos poemas, e reuni todos em livros que registrei na Biblioteca Nacional, somando ao todo sete. São livros de poesia, que falam sobre o que eu penso e sinto em relação ao cotidiano e relações pessoais. Eles não foram publicados por nenhuma editora, e apenas um deles foi editado de maneira independente, os outros estão amarelando guardados – conta Christiane.

— Lembro que com 20 anos de idade (atualmente tenho 41) comecei a organizar os livros e a registrá-los. Lembro de enviar cópias para editoras e nunca ter resposta favorável, sempre diziam que era bom, mas não editaram. Na época era difícil a comunicação, a internet estava começando a surgir por aqui, telefone fixo era caro, celular então, nem se fala, além de caro tinha cobertura de área terrível – diz.

— O primeiro livro chama-se Entre a razão e o coração e segue a linha do romantismo e frustrações de uma adolescente; o segundo, Liberdade de expressão (com um dos poemas reproduzidos nesta matéria), é romântico, com alguns poemas sobre questões sociais. O terceiro é Inspiração criadora, que considero o início do meu amadurecimento literário. Já apresentei minhas poesias em três concursos do gênero, e consegui ser finalista em todos – fala.

A poesia surgiu de forma natural na vida da Christiane e assim também fluiu.

— Comecei a ler aos 6 anos e desde então a escrever. Inventava umas historinhas na cabeça e escrevia, depois guardava. Mas hoje não tenho mais esses registros. A parte poética surgiu na escola: uma professora pediu aos alunos para escrever poesias e a professora de artes pediu para fazer um desenho sobre o poema – conta.

— Lembro que o meu primeiro poema falava sobre o mar e sobre amor. Todos os livros são “eu”, mas de uma maneira quase universal, acredito que quase todos já sentiram ou pensaram sobre o que eu escrevi neles – expõe.

Christiane escreve sobre cotidiano, família, amor, natureza, e também usa a poesia como a sua maneira de protestar contra o sistema de exploração.

No livro Luz e sombra tem o poema Atos e Fatos (reproduzido nesta matéria), escrito há 20 anos, e é tão atual que parece ter sido escrito semana passada. Como povo, sinto essa opressão e a realidade me inspirou a escrever desde muito cedo, porque sempre pensei sobre essas coisas.

— É uma vergonha um povo que paga tanto imposto não ter retorno do que paga em serviços públicos de qualidade, era o mínimo que deveríamos ter. Mas, aí vem a grande máfia política e acaba com os nossos sonhos de viver dignamente – continua.

— Achei lindo, de arrepiar, o movimento do povo nas ruas em 2013. Nos fez enxergar a beleza da união do povo. Infelizmente esse desgoverno está fazendo as classes populares regredirem ainda mais financeiramente, e todos perdem e muito com tudo isso – conclui Christiane.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin