O inferno de Challapalca

Toledo aplica política de extermínio de prisioneiros

A situação carcerária dos prisioneiros de guerra no Peru continua tão grave e criminosa como na época de Fujimori e de Montesinos. Toledo, ao invés de remediar esta realidade como prometeu durante sua campanha eleitoral, piorou ainda mais a dramática situação dos presos acusados de pertencer ao Partido Comunista do Peru (PCP). A situação continua sendo a de campos de concentração, onde se tortura e se extermina os acusados de subversão. A eles são negadas alimentação adequada e os meios necessários para cuidar da saúde. Os presos são castigados com brutalidade e, em muitos casos, colocados em isolamento completo por muitos meses. Sem acesso a qualquer defesa legal, sem contato direto com seus familiares que conseguem a duras penas chegar ao presídio.

Estes presos, que o governo denomina de "prosseguir", diferentemente dos partidários das "cartas de paz", mantêm-se firmes no prosseguimento da luta armada no país. Esses prisioneiros de guerra opõem-se à busca de um acordo com o governo Toledo, recusam, por considerá-lo capitulação, o pedido de participação no processo de reconciliação nacional , promovido por Toledo ao iniciar sua administração.

A prisão de Challapalca é um campo de extermínio, onde o governo concentrou a maioria dos prisioneiros "prosseguir". Encontram-se estes na parte andina de Tacna, localizada a 6 mil metros de altitude. À noite a temperatura desce a menos 3 graus. Situa-se a o que em nome do banco Wiese enviou uma carta a instituições bancárias da Europa e de outros continentes recomendando a "grande solvência moral y econômica" de Montesinos, y assinalando que "este era "um cliente preferencial" do Wiese.


O exército oerua tortura seus próprios soldados. O que não faz com os presos políticos?

Inocência da senhora Toledo para vincular-se ao banco Wiese?. Aquí no há nenhuma inocência ou casualidade. A relacão Wiese-Karp expressa o grau de corrupção que alcança atualmente o governo de Alejandro Toledo. Reflete também a estatura moral daqueles que como a mulher do presidente usam o poder do Estado para lograr benefícios pessoais. Uma vez que Toledo se instalou no palácio de governo a senhora Karp se declarou por conta própria chefe suprema do Despacho Descentralizado, que segundo ela tínha como objetivo favorecer aos camponeses andinos através de projetos de desenvolvimento agrícola. É este o alto cargo que ela aproveita y utiliza delinquencialmente para vender ao banco Wiese seus "serviços" de "consultora em assuntos agrários".

De outro lado, o Banco Wiese pródigo em tratar com máfias, sabe que os 10 mil dólares que entrega mensalmente à "primeira dama" é uma inversão que a recuperará com juros no terreno econômico e político. O vínculo empregatício entre a primeira dama o Wiese é uma recompensa não aos serviços profissionais da senhora Karp, senão mais que um pagamento (leia-se suborno) ao poder político que a mulher do presidente da República representa. Por isso, não resulta numa casualidade que o atual gerente geral do banco Wiese, Eugenio Bertini, siga livre e não na prisão como devería estar. Bertini tem várias acusações penais, cujos cargos têm que ver com sua participação direta com a máfia dirigida por Fujimori y Montesinos. Bertini, atual patrão da senhora Karp é intocável, e apesar de estar incurso em graves acusações que envolvem centenas de milhões de dólares do narcotráfico, da chantagem e da corrupção no Estado, segue livre y dirigindo o banco Wiese.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza