Argentina: Presença de O'Neil no país provoca protestos da população

A- A A+
Pin It

Buenos Aires
- Três diretores de uma pequena indústria metalúrgica argentina, a Impa, entraram com uma ação na justiça pedindo a prisão do secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Paul O'Neill, tão logo ele desembarcasse no país, na primeira semana de agosto. Acusação: extorsão. Eduardo Murúa, Guillermo Robledo e Oracio Campos disseram que a medida se justificava pela "oportunidade única" criada com a rápida visita de O'Neill à Argentina.

E não é a primeira vez que a Impa toma tal iniciativa. A empresa havia denunciado, em abril deste ano, também por extorsão, o diretor-gerente do FMI, Horst Kohler; a vice-diretora Anne Krueger e o diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do FMI, Anoop Singh. Na época, os empresários se referiam ao projeto, negociado pelo governo com o FMI, de modificação da lei de Falências (que foi aprovado) e à proposta, de mais cortes nos orçamentos das províncias, rejeitada pelos governadores, bastante pressionados pelo povo faminto.

"Não escapa ao entendimento geral que as condições impostas não favorecerão mais do que o FMI, e de maneira nenhuma ao povo argentino, que os governantes juraram defender, sobre a Constituição Nacional", afirmaram, na ocasião, os empresários da Impa.

Enquanto os pequenos e médios empresários argentinos denunciam a espoliação imperialista, os desempregados lutam em defesa do direito ao trabalho e à vida. A taxa de desemprego urbana, na Argentina, admitida oficialmente, é de 22% da população economicamente ativa, quadro que se agravou rapidamente, levando 25 mil argentinos a perderem o emprego em dezembro passado, e outros 250 mil, entre janeiro a março deste ano. La Nación publicou recentemente informe do Instituto Nacional de Estadistica y Censos (Indec) revelando que 4 milhões de crianças argentinas vivem abaixo da linha da pobreza, o que "representa 70.3% do total de crianças do país".

Um grupo de desempregados da província de Santa Cruz, na Patagônia, extremo sul da Argentina, ocupou, na manhã do dia 5 de agosto, uma refinaria da petroleira Repsol-YPF. Eles ameaçavam explodir um depósito de petróleo caso não fossem recebidos pelo governador Nestor Kirchner, ao qual pretendiam exigir a criação de postos de trabalho na região. A ocupação obrigou as autoridades argentinas a suspenderem o bombeamento de combustível da refinaria para usinas termoelétricas, pois isto poderia causar pane no fornecimento de energia elétrica para toda a região da Patagônia.

Mas, nem mesmo o covarde atropelamento de 11 entre muitos desempregados que bloqueavam uma estrada próxima à refinaria foi capaz de arrefecer a disposição de luta do povo argentino. Moradores da cidade de Las Heras reuniram-se na praça principal da cidade e seguiram, em marcha, até a usina para prestar solidariedade aos desempregados em luta por seus direitos.

Da mesma maneira, cerca de 100 manifestantes vaiaram e jogaram ovos no carro que transportou o Secretário Paul O'Neill em sua visita à Argentina. Ainda que a equipe de segurança de O'Neill tenha tentado evitar a justa hostilidade do povo argentino, divulgando um roteiro falso, os manifestantes, portando cartazes onde se podia ler "Fora O'Neill e o FMI" arremessaram ovos contra ele. No mesmo dia, cerca de 12 mil pessoas se reuniram na praça de Maio, para protestar contra a presença do Secretário norte-americano que insistiu em exigir novas medidas de arrocho ao governo Duhalde.

Arquivo revela que ianques dirigiam matança

Buenos Aires - O acesso a 4.677 documentos confidenciais relativos às atrocidades cometidas no período do gerenciamento militar na Argentina, liberados em agosto pelo Departamento de Estado ianque, trás inúmeras revelações que confirmam o apoio do imperialismo ianque, desde 1976, à repressão feroz aos insurgentes.

Um telegrama, datado de 20 de setembro de 1976, o embaixador Hill escreveu que "quando se encontrou com Kissinger (secretário de Estado dos Estados Unidos), em Santiago, este disse que esperava que o governo argentino conseguisse controlar o problema da insurgência o mais rápido possível. Segundo Guzzetti, Videla e seu gabinete tinham a impressão de que a maior preocupação dos ianques era a de que o governo argentino resolvesse a questão rapidamente", ou seja, que fosse eliminado o maior número possível de opositores ativos, principalmente os revolucionários mais consequentes.

Durante o longo terror de Estado, promovido pelo imperialismo ianque e seus colaboradores argentinos, as vítimas de sequestros (entre adultos, anciãos e crianças), totalizaram mais de 30 mil pessoas.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja