Rondônia: Para Liga, revisão de julgamento é farsa

A- A A+

A desembargadora do Tribunal de Justiça, Zelita Cardoso, prometeu a revisão do julgamento do Massacre de Corumbiara, atendendo inúmeros protestos e manifestações por todo o Estado, através de sindicatos de trabalhadores rurais e entidades ligadas aos direitos humanos e de defesa dos pequenos agricultores e da reforma agrária. No documento enviado ao tribunal, os camponeses exigem a punição dos verdadeiros culpados, em especial, os proprietários da fazenda Santa Elina, local da chacina, além da reparação para as vítimas de torturas e familiares dos assassinados.

Para os líderes da Liga dos Camponeses Pobres, a revisão do julgamento, ao contrário do que parece, não tem como objetivo punir os verdadeiros culpados, "mas sim, conforme dizem algumas entidades e partidos oportunistas, corrigir alguns erros do processo". "Quando esses senhores apontam para a revisão do julgamento, nada mais fazem do que legitimar este Estado que vem ordenando os assassinatos e tortura de camponeses, criando agora a falsa sensação de justiça para esconder tantas atrocidades. O verdadeiro julgamento farão as massas camponesas que têm se levantado na luta por seus direitos e assumindo o caminho combativo. Não reconhecemos esse julgamento e sabemos muito bem os verdadeiros culpados", disse João de Jaru, um dos coordenadores da LCP. 

O Comitê de Defesa das Vitimas de Santa Elina

Em panfletos distribuídos em todo o Estado, a Liga acusa entidades que se dizem defensoras dos camponeses, "mas que, na verdade, não passam de integrantes deste Estado podre e corrupto, através de cargos e instituições e por isso jamais se colocarão contra os interesses das classes dominantes. Assim, tentam de várias formas enganar o povo com discursos calorosos, mas o que vale mesmo é a prática dessa gente", diz o documento.

"Quem nos defende somos nós mesmos e nosso corpo jurídico. Para reforçar a nossa defesa, fundamos o Comitê de Defesa das Vítimas de Santa Elina, constituído por representantes autênticos da luta camponesa, e vamos a Brasília denunciar, principalmente, a órgãos de direitos humanos internacionais, todas as atrocidades, assassinatos que não param e constantes ameaças contra nós, na luta por um pedaço de terra. E é bom ficar claro que os senhores Adelino(Dinho) e Claudemir Ramos, pai e filho, não têm nada a ver com o Comitê ou qualquer comissão que formarmos em nossa defesa. Eles são traidores e se o Claudemir diz estar escondido, nada tem a ver com os latifundiários, poderosos ou jagunços, mas sim pelo medo em saber que o povo jamais perdoará sua traição. Eles são traidores, principalmente por deduragem, falcatruas e mentiras. Eles falam de uma comissão de defesa das vítimas de Santa Elina, que não existe. Mesmo que eles ainda se proclamem defensores dos camponeses de Santa Elina, nada têm a ver", garantiu Caco, um dos coordenadores da LCP.

Três frentes de ação em busca de justiça

A nova luta, iniciada pelo Comitê de Defesa das Vítimas de Santa Elina, tem très frentes de ação:

1 jurídica, com três advogados para trabalhar no processo de indenização, que vinha carecendo de acompanhamento, abrindo novo processo, se preciso for;

2 política, com o objetivo de divulgar em todo o país e a nível internacional, como forma de pressão aos políticos e autoridades, para que sejam pagas as indenizações;

3 pela saúde das vítimas.


"Vários camponeses têm seqüelas até hoje, de tiros e de torturas física e psicológica. E contam apenas com o trabalho de poucos médicos que apoiam a luta do povo e de entidades como a Liga Operária, que encaminha companheiros para tratamento em Belo Horizonte e outras capitais, devido à precariedade do atendimento em Rondônia. A maioria, infelizmente, seque sem tratamento médico algum. Nem sempre temos dinheiro sequer para pagar passagens. Vamos exigir do Estado as indenizações de lei, a fim de que, pelo menos, sejam feitos tratamentos médicos adequados. E se houver necessidade, com protestos como o que fizemos recentemente, fechando a BR e, com isso, chamando a atenção das autoridades", explicou Caco.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja