Editorial - ...e porque há um mundo novo


Foi durante a administração dos Fernandos I e II que a Marinha Mercante brasileira passou a vazar água, até hoje. Sobre a heróica resistência à ação destruidora do patrimônio e à traição nacional, muitos detalhes aparecem nesta edição.

A poucos meses da substituição de gerente geral, os candidatos megapelegos disputam as simpatias da metrópole com mais zelo do que quando buscam angariar o voto popular. Dizem sim ao Acordo (que acordo?) segredado junto ao FMI, atestam que de bom grado cumprirão suas ordens, como acontece agora. E tratam de tornar pública essa obediência, com pronunciamentos solenes e tudo o mais que exigem as boas graças do império.

A dívida externa atinge o nível de 200 bilhões de dólares. O Fundo Monetário governa o Brasil, em cada gesto que esboça, em cada registro contábil, em cada operação mercantil e financeira., confessa o governo. Ele empresta dinheiro a si próprio, exige reembolso daquilo que o país, em hipótese alguma, lhe deve. Sob as novas políticas públicas nativas, ficam apenas as contribuições, a cobrança de impostos, de pedágios, a arrecadação de taxas e juros, além da repressão. E tanto mais o imperialismo acumula às custas dos povos, mais se enfraquece, e mais guerras deflagra.

A administração do império se resume agora ao saque e à pirataria, à rapina e aos depojos. Não há mais “boa vizinhança”, mas severa advertência aos vizinhos, “exercícios” militares constantes e caça aos insurgentes, tudoem território alheio. Os centuriões fincam bases em qualquer país da América Latina, se apoderam das reservas de matéria-prima sem contendas, estendem seus sistemas de escuta, de imagem vigilante, se apropriam dos últimos bens materiais e culturais dos povos que dominam, falsificam a História, a moeda corrente, a moral, o direito, a ciência.

Porém as massas se erguem, ao tempo em que expulsam o oportunismo de suas fileiras. Retomam a terra e, do chão camponês, expulsam as relações atrasadas. Mais do que tudo, a História revela as provas cabais de que o povo pode e deve governar, trabalhar para si, transformar o mundo e soterrar as relações de exploração.

Na frente cultural, as massas clamam por conhecimentos novos, antiimperialistas e de afirmações concretas, que as empolguem na luta por uma nova cultura, uma nova economia, uma nova política, porque já é hora dos que vivem por suas próprias mãos, remover o semifeudalismo, o capital burocrático e o imperialismo de seu caminho, e erguer neste país, e nessa América, sua inconfundível democracia.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin