Retomada da mobilização pela liberdade de Mumia Abu-Jamal

A- A A+
Filadélfia (USA) O juiz federal Willian Yohn ratificou a condenação, por homicídio, do jornalista negro Mumia Abu Jamal, declarando, porém, ilegal a sua sentença de morte. Pela primeira vez em 20 anos — tempo em que Mumia cumpre pena no corredor da morte — um tribunal norte-americano questionou a sua condenação à pena máxima, o que respalda as diversas denúncias de que seu julgamento foi uma farsa. Mas, ainda que tal sentença tenha permitido confirmar a manipulação que cerca o julgamento de Mumia, sua libertação continua distante. O mesmo juiz Yohn rechaçou todos os vinte pontos da petição de hábeas corpus, os quais demonstravam, sem qualquer margem de dúvida, a má conduta do judiciário no caso: supressão de provas; coação de testemunhas; perjúrio policial; imposição de um advogado incompetente; proibição dele (Mumia) defender-se a si mesmo e de ter o assessor jurídico que desejasse. Yohn rechaçou também o ponto da petição que afirma que o processo de seleção dos jurados foi racista.

A Justiça da Filadélfia informou que recorrerá ao Tribunal de Apelações de Terceiro Circuito que, em reinstalando a sentença, levará o governador da Pensilvânia a fixar uma data imediata para a execução de Mumia.

Clark Kissenger, jornalista revolucionário e, há muitos anos, defensor da liberdade de Mumia, falou sobre o vínculo entre a guerra, a repressão e a luta pela libertação de Mumia, lembrando que bem antes dos acontecimentos de 11 de setembro, o caso de Múmia Abu-Jamal ilustrava a "deformação da justiça nas instituições de supremacia branca e do capitalismo".

Kissenger prosseguiu afirmando que "muita gente sabe que inventaram uma confissão; tiraram os negros do corpo de jurados; coagiram e subornaram as testemunhas; esconderam evidências e mencionaram que Mumia tinha sido membro do Partido Panteras Negras para sentenciá-lo à morte. Temos que seguir na luta por Mumia e lutar contra as injustiças atuais. Temos que avançar na luta pela liberdade de Mumia, como parte da luta por fazer frente a toda esta ofensiva contra o povo. Não podemos permitir que o executem nem que o mantenham preso para sempre. Há muita coisa em jogo. Temos que impedir uma nova condenação de morte; temos que tornar nula a condenação e obter sua liberdade... Há que perguntar, a nós mesmo e aos outros, o que demonstra o caso de Mumia sobre este sistema, que agora quer que apoiemos o bombardeio e a invasão de outros países?

Esta sociedade vale tanto que devemos bombardear a outros povos, sacrificar nossos direitos,

guerrear e morrer? Não, de maneira nenhuma. Liberdade para Mumia!", finalizou ele.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza