Licitação de áreas petrolíferas: erro estratégico fatal

A- A A+

A partir do final da década de 80, a hegemonia do USA, implementada através do Consenso de Washington, fez aumentar as pressões para que os paises latino-americanos revissem as práticas de proteção às suas riquezas naturais e cessassem os monopólios em áreas estratégicas, disponibilizando-as para o próprio USA, que só tem 10% desses recursos que precisam (ver livro Ressource Wars do escritor norte-americano Michael Clare). O próprio Departamento de Defesa do USA tem entre as suas cinco estratégias, uma que diz: “impedir que países potencialmente hegemônicos se desenvolvam (Ana Chechena — socióloga mexicana — FSM nº 2)”. Se o Brasil e a América Latina se desenvolverem consomem os recursos que os EUA precisam.

No Brasil, o governo FHC promoveu as mudanças da Ordem Econômica (cap. V da CF de 1988) que feriram profundamente a Soberania Nacional entre essas mudanças estava a do monopólio estatal do Petróleo contido no artigo 177, que seria regulamentada por uma lei ordinária. Assim, a partir de 1997, através da Lei 94 78/97 (artigos 26 e 60), desmontou-se o controle pelo Estado brasileiro do setor petróleo, que era monopólio da União, executado pela Petrobrás, usando-se o argumento falacioso de que empresas estrangeiras trariam capital para investir em novas áreas. Sucederam-se 6 licitações conduzidas pela ANP e o que se viu foi que essas empresas só se interessaram por áreas onde a Petrobrás já havia corrido todos os riscos geológicos e financeiros.

A 6ª licitação incluiu áreas promissoras (áreas azuis) que a Petrobrás foi obrigada a devolver, conforme alguns juristas, em desacordo com a lei. É o caso da maior parte do bloco BC-60 em que ela encontrou 2 bilhões de barris na sua parte norte e, por isso, pelo artigo 33 da lei 9478/97, deveria desenvolver as atividades de produção em todo o bloco. A 6ª licitação Incluiu também a boa área do C-M 61 que a Petrobrás devolveu.

A nova diretoria da Petrobrás perfurou, em 2003, diversas áreas que a diretoria anterior estava guardando para serem entregues, no mês de agosto, à ANP para leiloar. Nelas foram então descobertas reservas de cerca de 6,6 bilhões de barris. Mais de 50% das reservas provadas existentes. Como estamos produzindo 90% do consumo, estas novas descobertas garantem a auto-suficiência, pelos próximos 10 anos, contados a partir de 2006. Estas descobertas, inclusive, gerarão produção excedente. Neste caso, a Petrobrás ficará no incômodo dilema de produzir para exportação ou devolver parte das concessões. Esse é um dos absurdos da Lei 9478/97. Portanto, se forem mantidas as licitações das áreas, incluindo as azuis que a Petrobrás foi obrigada a devolver, elas só entrarão em produção em 2008, com a produção excedente em andamento. Não haverá argumentos para impedir a exportação, predatória, pelas novas proprietárias. Aliás, é pertinente dizer que a Shell já está exportando 70.000 barris por dia de petróleo leve, de excelente qualidade, extraído do campo de Bijupirá/Salema, por ela adquirido, sem que a auto-suficiência seja atingida.

O artigo 26 da Lei 9478/97, dá a propriedade do petróleo a quem o produzir, contrariando o artigo 177 da Constituição, que foi mexido, mas não foi revogado. O artigo 26 se baseia no artigo 176 (minérios) que dá a propriedade do minério a quem o produzir. Só que, existindo o artigo 177, específico para o petróleo, segundo vários juristas este prevalece sobre aquele e não outorga a propriedade do petróleo, caracterizando a inconstitucionalidade do artigo 26 da Lei Ordinária (9478/97).

Quando se quebrou o monopólio com a Lei 9478, os argumentos invocados eram a necessidade do capital externo para desenvolver novas áreas. Nas seis licitações ocorridas isto não se confirmou: as empresas só se interessaram pelas áreas que a Petrobrás investiu e correu todo o risco geológico. Só a Petrobrás tem adquirido áreas novas. Na 6ª licitação ocorreu um fato grave: o edital introduziu um alto grau de subjetividade, como o item do Conteúdo Local - fornecimento de equipamentos por empresas nacionais. Foi dado a este item um peso de 40% para julgamento das propostas. Enviou-se carta a ANP alertando para isto, sem sucesso. Veio a concorrência e uma empresa estrangeira, usando esse artifício, adquiriu a melhor das áreas (CM-61), por um preço mais baixo do que o da Petrobrás. A empresa apresentou um conteúdo local de 81% (inviável) em detrimento do oferecido pela Petrobrás (viável) de 60%. Houve fato mais grave ainda: é que uma das empresas do consórcio vencedor (a coreana SK) vinha negociando parceria com a Petrobrás e discutindo estratégias de proposta. Com esses dados se associou à Devon e derrotou a Petrobrás usando informações privilegiadas. Não existem parâmetros para exigir do consórcio o cumprimento dessa falsa promessa. Pôde-se mentir impunemente. Qualquer cobrança sobre isto só vai ocorrer daqui a 8 anos, quando a empresa for adquirir equipamentos de produção. Quem vai se lembrar? 

 

A questão estratégica

Além da questão constitucional é preciso considerar-se a questão estratégica: não existe um único estudo ou planejamento energético que recomende a exportação de petróleo. Ao contrário, as entidades especialistas sérias internacionais apontam a possibilidade do terceiro e definitivo choque do petróleo para o entorno de 2015. Isto porque é previsto que o pico de produção (oferta) ocorrerá nessa época e que a demanda vai superar a oferta, irreversivelmente. Se em condições menos críticas, as guerras ocorridas após a Segunda Guerra Mundial foram, quase todas, por petróleo, receia-se um recrudescimento perigoso na luta por petróleo após 2015. Em face dessas previsões estima-se que o preço do barril atingirá US$ 50 em 2010 e ultrapassará os US$ 100 a partir de 2015. Se o governo tivesse uma visão estratégica de País soberano, estaria procurando guardar o pouco petróleo que temos e investiria maciçamente em energias alternativas. Temos petróleo para cerca de 18 anos apenas e nossa geologia não nos dá perspectivas de grandes descobertas. Assim, se confirmarem as licitações, poderemos chegar em 2015 com apenas um terço das nossas reservas e voltarmos a ser importadores.

A energia alternativa (solar, eólica, de biomassa), por sua vez, é renovável, e o Brasil o país mais bem contemplado por ela no planeta. Ela gera empregos por todo o país, é produzida em Real, mas leva cerca de 20 anos para se implantar. Já estamos muito atrasados nas pesquisas e investimentos nessa modalidade. Falta visão estratégica e sobra pressão das empresas de combustível fóssil contra ela.

O caso do petróleo mexicano é um exemplo assustador: em 1994 o México deu o seu petróleo como garantia de dívida; até 1998 ele mantinha a média de 48 bi lhões de barris de reservas. Sob o governo Fox, o México passou a suprir os EUA com mais intensidade. Resultado: as reservas mexicanas caíram para 12,6 bilhões de barris em 2002 (www.anp.gov.br). É o que pode ocorrer com o Brasil se exportarmos petróleo: voltar, precocemente, à condição de importador quando os preços explodirem.

Outros dados preocupantes: existe uma rebelião surda na Arábia Saudita contra a submissão incondicional ao USA; a incrível invasão do Iraque; na Rússia, há uma queda de braços entre o governo e a maior empresa de petróleo (privatizada) a Yukos; as reservas mundiais sofreram uma redução da ordem de 25% recentemente. Muitas empresas e países haviam superdimensionado suas reservas visando maior crédito bancário (empresas) ou maior cota de exportação (paises da OPEP). O governo (MME) está usando, como justificativa da 6ª licitação, dados falsos fornecidos pela ANP (a curva de produção e demanda não combinam com o que a Petrobrás apresenta em seu planejamento estratégico). Estes e outros fatores levam à conclusão de que qualquer licitação/exportação de petróleo é um atentado à manutenção do Brasil como país soberano.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja