USA aprofunda intervenção na África

Uma ação de emboscada de grupos islâmicos que aniquilou quatro soldados ianques, no início de outubro, no Níger, está tendo repercussão no cenário internacional. Os grupos se deslocam entre o Mali, Chade e a Líbia e controlam várias regiões, escancarando a derrota da intervenção militar dos imperialistas na região africana, que pretendem intensificá-la.

Sgt. Sean Worrell/Air Force Tech
Ianques adestram Exército semicolonial do Níger em ações de repressão contra o povo (Foto: Sgt. Sean Worrell/Air Force Tech)
Ianques adestram Exército semicolonial do Níger em ações de repressão contra o povo

A emboscada ocorreu no dia 4 de outubro, próximo da aldeia de Tongo Tongo, quando os militares retornavam à capital Nuamey. Os soldados ianques, 12 ao total, pertenciam à Força-Tarefa de Operações Especiais do Exército e acompanhavam outros 30 militares do Exército semicolonial nigerino. Eles estavam armados com metralhadoras e armas curtas.

Os soldados retornavam à base operacional quando mais de 50 combatentes de um grupo armado islâmico, atuando com táticas de guerra de guerrilhas, abriram fogo com canhões automáticos, lança-foguetes e granadas. Quatro soldados ianques foram aniquilados, a maioria deles sargentos, e outros dois ficaram feridos. Há indicativos que apontam à participação dos aldeões na ação.

O chefe da aldeia em Tongo Tongo foi detido pela repressão, acusado de dar apoio à ação e de “conluio com o Estado Islâmico”.

Guerra de agressão se expande

Estes combatentes organizados por grupos leais ao Estado Islâmico vêm da Líbia após a guerra de agressão ianque movida contra este país. Eles se retiraram dali quando da ofensiva ianque contra sua fortaleza na cidade de Sirte, em novembro de 2016. Os combatentes se dispersaram pelos países fronteiriços ou próximos como Chade, Níger, Nigéria e o Mali.

No Níger, um dos países mais empobrecidos do mundo e onde há intervenção militar encabeçada pelo Exército francês com 4 mil soldados, os grupos de combatentes uniram-se a outros grupos locais e ali estabeleceram-se.

A violência indiscriminada das potências imperialistas e as tropas locais, principalmente nas regiões rurais onde os grupos armados se estabeleceram, fez aprofundar o laço entre estes e os povos das aldeias. Agitando os problemas da extrema pobreza, desemprego e a situação de abandono do campo, os jihadistas estão organizando as massas, principalmente as camponesas, e estão mobilizando-as contra as tropas da França, USA e lacaios.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro