Catalunha: ‘A independência mais curta da história’

O governo central da Espanha, encabeçado por Mariano Rajoy, acionou o artigo 155 da Constituição para usurpar a autonomia da Catalunha, no dia 27 de outubro. A intervenção do Estado espanhol ocorreu horas após a proclamação da República da Catalunha pelo parlamento local.

O parlamento e o governo da região, chamado Generalitat, foram fechados, e o então governante da região, Carles Puigdemont, e outros ministros fugiram covardemente para a Bélgica três dias depois.

A polícia local, chamada Mossos d’Esquadra, também sofreu intervenção e seu alto comando foi substituído. Durante o Referendo que decidiu pela independência, em 01/10, a polícia catalã, então comandada por Josep Lluís Trapero, se recusou a reprimir o processo, obrigando o Estado espanhol a enviar efetivos da polícia central. Agora, os 17 mil agentes que compõem a Mossos d’Esquadra estão comandados pelo então vice-comandante Ferran López, tido como “bom conciliador”.

Alguns ministros e “autoridades” catalãs, após cassados, se apresentaram para retomar seus cargos no dia 27, mas foram ameaçados de prisão pelo governo espanhol por crime de “rebelião”, com sentença prevista em até 30 anos de prisão. Ao menos oito ex-membros da Generalitat estão presos desde o dia 02/10.

A mesma ameaça foi feita para o então governante Puigdemont, que teve pedido de prisão expedido pela procuradoria do Estado espanhol no mesmo dia, por não ter comparecido em audiência.

Após suspender a autonomia da Catalunha, o Estado espanhol convocou novas eleições para “definir o novo governo” da região para o dia 21/12.

Aumenta a crise

No campo econômico, a instabilidade política causada pelo ambíguo processo de independência dirigido pela burguesia catalã gerou mais desemprego no último mês.

Em outubro, a Catalunha foi a região na qual mais cresceu o desemprego, em meio à crise que pressiona todo o Estado espanhol. Encerraram-se quase 15 mil postos de trabalho, e ao menos 2 mil empresas deslocaram suas sedes para outras regiões, receosas de uma eventual retirada catalã da “União Europeia”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro