Adoção da pátria e do choro

Professor na Escola Portátil de Música e integrante de grupos que seguem a linguagem do choro, o português  de alma carioca Rui Alvim é um chorão convicto que se preocupa em manter viva este aspecto da cultura brasileira. Clarinetista e saxofonista, Rui já enfrentou todas as dificuldades impostas pelo mercado ao profissional e apresenta uma carreira sólida de amor à música.

http://anovademocracia.com.br/200/19b.jpg
Rui é instrumentista e professor
da Escola Portátil de Música

— O choro é uma grande escola de música instrumental, é a escola do músico brasileiro. Nasceu como música instrumental urbana brasileira, e foi matriz para muitas outras músicas. Foi, ainda que não sozinha, uma das matrizes, por exemplo, para o samba, o xote e uma série de outras músicas cantadas - conta Rui.

— E ainda que eu não tenha me originado nesta escola, a adotei para mim. Mas não sei se posso me considerar um chorão mesmo, porque não sou nato e vendo chorões nativos, como Altamiro Carrilho, Maurício Carrilho, Ronaldo do Bandolim etc.. Penso assim. Inclusive, costumo dizer que quando olhava para o seu Álvaro [o flautista Álvaro Carrilho, falecido em agosto passado] pensava ‘quando eu crescer vou ser um chorão’ - brinca.

Rui cursou bacharelado em clarinete, na Unirio, uma escola de música formal, e foi na faculdade que de alguma forma passou a ter contato com o choro.

— Tínhamos uma matéria chamada “música de câmara” com o professor Roberto Gnattali, e eu já trabalhava com ele na Orquestra de música brasileira. Foi essa matéria que originou o grupo de choro Água de moringa. Pude entender e trabalhar a linguagem do choro pela minha atividade no grupo.

— O Água de moringa é uma reunião de chorões, e existe há quase 30 anos, com vários discos gravados, alguns prêmios e apresentações pelo Brasil, além de outros países da América Latina, Europa e até no Japão. É o meu principal trabalho, e todas as minhas atividades de alguma maneira fazem parte da linguagem do choro.

Com Rui Alvim no clarinete e clarone, Marcílio Lopes no bandolim e violão tenor, Jayme Vignoli no cavaquinho, Luiz Flavio Alcofra no violão, Josimar Carneiro no violão de sete cordas e André Boxexa na bateria e percussão, o Água de moringa se destaca por sua versatilidade, revisitando compositores tradicionais e experimentando novos autores.

— Outro trabalho que tenho é a banda Luzeiro de paquetá, só de sopros e percussão, que surgiu do convívio de alunos e professores da Escola Portátil de Música. É um grupo muito ligado à pesquisa da linguagem de banda no Brasil - apresenta.

— As bandas participaram ativamente dos registros dos choros produzidos no início do século XX e nossa pesquisa tem inspiração muito grande no Anacleto de Medeiros, quem implantou essa linguagem de banda no Brasil. Anacleto fundou diversas banda, entre elas, a do corpo de bombeiros. O grupo existe há 9 anos, e nós estamos concluindo a gravação de um CD, que deve ser lançado em breve - avisa.

— Também tenho um outro grupo que considero muito importante que é o grupo Los quatro, que faz um trabalho com a música popular instrumental da América Latina toda. Estamos concluindo agora o segundo CD e devemos lançar esse ano ainda. Fora isso, toco no projeto Candombaile, que mistura músicas de vários países latino-americanos: candombes, músicas cubanas, choros, boleros etc. - relata.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza