Dia do Povo Preto - Uma história de sangue e resistência

Todos os anos, no dia 20 de novembro, o monopólio da imprensa e o velho Estado tratam de distorcer o real significado do Dia do Povo Preto, que carrega uma gigante tradição de resistência e sangue neste território onde hoje situa-se o Brasil.

Assim que aqui invadiram, os portugueses tentaram escravizar os povos nativos indígenas, que impuseram feroz resistência aos colonizadores assassinos. Como conheciam o território, mesmo com a superioridade militar dos portugueses, os indígenas conseguiram não se deixar escravizar por completo, e os pretos foram trazidos da África. Chegaram aqui trazidos da forma mais selvagem possível, nos odiosos navios negreiros, para servir como força de trabalho escrava. Assim, os pretos chegaram em nosso país e consolidaram-se a primeira classe trabalhadora do Brasil colônia.

Vale lembrar que, de todos os países, o Brasil foi o que mais trouxe escravos, que eram vendidos em comércios entre os europeus e líderes de tribos africanas que venciam as guerras entre tribos rivais. Isso tudo num momento histórico em que a burguesia consolidava seu sistema capitalista, principalmente na Inglaterra.

Porém, em meio a séculos de suor, lágrimas, humilhações e sangue derramado, não foi só tristeza o que os pretos escravizados deixaram registrada na história do Brasil, mas também, e principalmente, um legado imortal de resistência. Foram criados os quilombos, onde os pretos libertos viviam após fugir da escravidão e organizavam grupos de combate para libertar outros escravos. Dentre os inúmeros fatos históricos desta luta contra a escravidão, destacou-se o heroico Quilombo dos Palmares, liderado pelo grande Zumbi dos Palmares, que ficava localizado onde hoje é o estado de Alagoas e que, por 100 longos anos, impôs derrotas às tropas do velho Estado brasileiro.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro