Iraque: Reveses da Resistência revelam limitações de classe

A- A A+
 

O Estado Islâmico da Síria e Iraque (EISI), que tem endossado a Resistência Nacional contra a intervenção ianque, perdeu o último território controlado no Iraque no dia 17 de novembro. Isso, no entanto, está longe de representar um triunfo para o imperialismo, principalmente o ianque, que se afundará ainda mais na sua guerra de agressão.

APP
Iraquianos queimam bandeira ianque em Bagdá, 20/03/2009 (APP)
Iraquianos queimam bandeira ianque em Bagdá, 20/03/2009

Os combatentes da Resistência, então instalados na cidade de Rawa, banhado pelo rio Eufrates, na província de Al-Anbar, bateram em retirada frente a uma ofensiva realizada pelo Exército iraquiano lacaio do imperialismo ianque. Mais de 5,3 mil soldados do USA atuaram para dar apoio operacional e realizar indiscriminados bombardeios.

Embora os combatentes tenham abandonado a guerra de posições e o monopólio da imprensa martele sobre um suposto triunfo dos invasores, mesmo os “especialistas” militares a soldo dos ianques afirmam que os grupos da Resistência Nacional não foram vencidos.

Hassan Hassan, um especialista em segurança do Oriente Médio no Instituto Tahrir para a Política do Oriente Médio, escreveu em 15 de novembro que o EISI está redefinindo suas formas principais de combate.

O dito especialista afirmou que o grupo está mudando do território que governou para as cidades iraquianas controladas pelo invasor que lhes dão mobilidade e esconderijo. A estratégia, observa Hassan, é travar incessantes combates de guerra de guerrilha para esgotar o invasor e avançar com sucessivas campanhas de ações surpresas.

Embora tenham conseguido dispersar os combatentes da Resistência, os ianques e seus lacaios mobilizaram um aparato desproporcional desde as operações para invadir Mosul (que durou de outubro de 2016 a julho de 2017). Estrategicamente, foram derrotados e não puderam aniquilar os grupos armados, que prosseguirão com a guerra de guerrilhas.

“A ralé de poucos milhares [6 mil] de combatentes do Estado Islâmico foi capaz de manter o controle de Mosul por nove meses, contra ao menos 100 mil [soldados] das forças apoiadas pelo USA”, avaliou na época o major John Point, da Academia Militar do USA, em entrevista ao Wall Street Journal, em 20 de julho deste ano.

Guerra justa, mas limitada

Em documento publicado ao fim de 2015, o Movimento Popular Peru (Comitê de Reorganização) fez uma profunda análise sobre a situação internacional e no Oriente Médio Ampliado.

Na análise da guerra de agressão movida pelas potências imperialistas contra o Iraque, apontou que os grupos armados islâmicos, em circunstâncias normais, são “forças latifundiário-burocráticas a serviço do imperialismo que os domina”, inclusive por vezes financiados e armados pelos imperialistas para dividir e dominar as massas sob uma ideologia feudal e atrasada. Mas que “essas forças podem passar a formar parte da frente única nacional” – isto é, passar momentaneamente para o campo da revolução – quando ocorre uma “invasão e ocupação militar” movidas pelos próprios imperialistas “para mudar o caráter semicolonial do país e buscar convertê-lo em uma colônia”, negando o direito à integridade territorial da nação agredida. Nesse momento, toda a nação, inclusive as forças feudais, tendem a se mobilizar contra o invasor.

“Tudo isso [crescimento dos grupos islâmicos armados no Iraque] aconteceu em reação à invasão militar americana e ocupação do Iraque”, avaliou o estudioso em Oriente Médio, Juan Cole, da Universidade de Michigan (USA), à BBC Brasil.

Portanto, aponta o MPP (CR), a guerra de resistência movida por grupos armados islâmicos contra as potências imperialistas e lacaios é justa, uma vez que busca libertar o país da ocupação militar estrangeira.

No entanto, ainda que justa, a guerra de resistência movida por esses grupos esbarra em limitações.

Primeiro, o caráter sectário que o EISI desempenha quando ataca os setores da nação que poderiam ser unidos contra a guerra de agressão imperialista, limitando o crescimento e união da Resistência Nacional. Há também concepções militares incorretas, como a primazia pela guerra de posição para controlar imediatamente o território e a incapacidade de despertar plenamente a iniciativa das massas.

O MPP (CR) destaca ainda que os grupos armados islâmicos “não estão armados, como os maoistas, com a teoria militar do proletariado, a Guerra Popular”, segundo a qual deve-se “destruir as forças vivas do inimigo e conservar as próprias, guiados pela necessidade de servir à imensa maioria do povo, para que triunfe a revolução”, sendo, portanto, tarefa dos comunistas dirigir essas lutas de libertação nacional para que possam triunfar. Enquanto isso não ocorre, aponta, os revolucionários devem apoiar as lutas de libertação das massas apesar de sua direção.

O MPP (CR) é um organismo gerado do Partido Comunista do Peru para o trabalho no exterior.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja