Poemas

http://anovademocracia.com.br/201/19a.jpg

Saga dos nordestinos

Jailda Galvão Aires

Por horizonte: poeira.
Terras secas e rachadas,
Quebrando pás e enxadas,
Sem cerca, eira e nem beira.
Somente o sol por fronteira
Castiga, queima, inferniza.
Nenhum bafejo de brisa.
Só o gemer da porteira.

Já não existe parreira,
Nem sombra, água ou abrigo.
Só um imenso jazigo,
De animais em fileira.
Vazias, as algibeiras,
Nos ombros secos de um forte,
No chão - carcaça e morte.
No céu - ave carniceira.

A fome leva à cegueira,
À criança – qual palito.
Neste deserto maldito,
Só raízes na chaleira.
O gado morrendo à beira
De um lodoso sequeiro.
Nem mato ou capim rasteiro,
Só fome, dor e caveira.
Comendo caça e poeira.
Coração triste, ofegante,
Enrugam os pés e a fronte,
Nem sentem a dor costumeira.
Numa prece derradeira,
Erguem as mãos ao infinito,
Ninguém escuta o seu grito,
Cala o céu e a terra inteira.

"- Só nos resta uma maneira:
- Sampa ou Rio de Janeiro,
Lá a gente faz dinheiro
Nossos guris faz carreira
Nós vorta. Vai que Deus queira."
- Ilusão filha da peste!
Não voltam mais pro nordeste.
- Viram servos de empreiteira.

Há uma ascensão herdeira,
De uma elite que se elege.
Mas só aos bancos protege,
Cuecas, meias, carteiras.
Compram as suas cadeiras,
Fraudando a "indústria da fome."
Nas urnas um - novo nome
A manchar nossa bandeira.

Rio, 25/07/2015.
ou: Dividindo a roubalheira

As dez sementes

Augusto Mazdaki

O verde arbóreo,
o azul celeste,
o sol áureo,
o sangue rubro.
Tocamos a marchar.
Frescor de orvalho,
vontade férrea,
cheiro de pólvora,
gosto de sangue.
Tocamos a marchar.

O suor escorre,
riscando estradinhas às nossas testas.
A saliva nos seca,
como se tivéssemos, nós, comido areia.
O coração rufa,
qual tambores de guerra, com entusiasmo de combate.
- Marchamos e cantamos! -

Os Senhores da Terra e da Guerra,
com seus covardes esbirros e suas pandilhas
não nos fazem trepidar.
Suas manadas de celerados,
suas carabinas de aço e balas de estanho,
não nos induzem o calar,
nem nos compelem a recuar
- Marchamos e cantamos!

Nosso sangue derramam.
Nosso sangue derramaram.
Nosso sangue,
Semente Vermelha de árvore frondosa,
que abençoa o solo,
o regala à vinda de seu bom fruto
- robusta, doce fruta rubra!

Há, a história, de nos presentear,
com sua destreza e sabedoria,
o doce fruto da luta,
pelos filhos da terra semeado,
quer com seus braços,
quer com seu sangue.

Dez sagradas sementes semeadas às Terras do Norte;
dez montanhas que pesam sobre a Terra.
Sua semeada não será vã;
trará, pois, boa colheita.
Que trepidem em seus ossos,
ó, Senhores da Terra e da Guerra,
com seus covardes esbirros e suas pandilhas
- os doces frutos da luta cáusticos se farão em suas bocas! -,
pois que, repentino como foi o plantio,
assim há de ser a colheita!

As dez sementes foram semeadas;
não tardarão, seus frutos, a germinar.
Em nosso tempo,
tocamos a marchar.

(Em memória aos heroicos camponeses caídos na Chacina de Pau D'Arco)

http://anovademocracia.com.br/201/19b.jpg

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin