Do Garcia para o Brasil

Nascido e criado no bairro do Garcia, em Salvador (BA), tradicional reduto de sambistas, o cantor e compositor Ricco Duarte se dedica à música popular brasileira, com um lado mais forte voltado para o samba. Morando no Rio de Janeiro há mais de trinta anos e já tendo se apresentado em vários países, Ricco mistura toda sua vivência em músicas, e faz shows do seu quarto CD independente. 

Da tropicália baiana ao samba carioca: Ricco Duarte encontra inspiração nas cidades em que viveu
Da tropicália baiana ao samba carioca: Ricco Duarte encontra inspiração nas cidades em que viveu

— Tenho a maior alegria por ter nascido em uma rua chamada Rua dos Artistas, em um bairro que é tradicional em Salvador, reduto do samba e onde moraram, e ainda moram, muitos artistas, entre eles o Pepeu Gomes, o Riachão, que tem 95 anos de idade e ainda está em atividade, e o Batatinha - conta Ricco.

— O Walter Smetak, já falecido, que era conhecido como o inventor de instrumentos musicais na época da Tropicália, lá no início dos anos 1970, foi nosso vizinho de muro, nossa casa ficava colada na dele. Eu brincava com seus filhos, e da minha varanda podia ver Caetano Veloso, Macalé, enfim, aquela turma toda que ia visitar o Smetak - recorda.

— E tinha a Mudança do Garcia, um tradicional bloco nos moldes das escolas de samba cariocas, que desfilava no domingo e na segunda-feira de carnaval. Malas, carroças puxadas por burros, simulavam uma mudança, e a bateria, não uniformizada, era a da Juventude do Garcia, a escola de samba do bairro. Por onde passava ia arrastando a multidão e levando a mensagem de mudança - fala.

A mudança tanto era física, de local, como de ideias e da realidade do povo.

— Estou falando dos anos de 1960/70, o povão descendo o morro e pedindo mudança, liberdade, justiça. Os cartazes eram feitos de papelão, escritos a carvão, muito antes do pincel atômico, inclusive tem um cartaz que até hoje não me sai da cabeça: “Pobre só come carne quando morde a língua” - revela.

— A Mudança do Garcia ainda existe, continua sendo um arrastão carnavalesco do povo, um pouco mais glamourizado. E não mudou muita coisa na realidade do país daquela época para os dias de hoje: mudaram os personagens, mas o povo continua pagando o pato - constata.

Essa vivência aparece nas músicas de Ricco e também na sua postura.

— A música que fecha o meu mais recente trabalho, Ricco#latinoamericano, é “Quem samba se esquece da dor”, meio que um enredo com um foco mais amplo, nacional. “Somos os zés, da silva dos rés, da tribo de muitos pajés”. E mais lá pra frente eu digo “e estamos de pé ainda, no morro da silva dos zés”. Apesar de tudo ainda estamos de pé, e quando estou triste faço um samba que a tristeza passa - diz.

— As letras vêm sempre antes da música para mim, e sempre fiz música independente, nunca me rendi às imposições de gravadora a estilos, modismos etc. Aos 14 anos de idade já tocava violão, participava com a turma de serenatas do bairro, e fazia umas musiquinhas para festivais da escola. Ganhei alguns, perdi vários, fui censurado em outros - conta.

Viver e fazer música

— Costumo compor sozinho, tive poucos parceiros. No CD Ricco#latinoamericano, por exemplo, todas as letras e melodias são minhas. Basicamente sou romântico e bem humorado, falo do que o meu olhar me aponta, pode ser uma dor de cotovelo, uma cena comum de rua, ou um personagem, como o Zé Beleza, um típico malandro carioca, brasileiro, que “se vira nos trinta” e não deixa a bola cair - relata.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin