Perseguição contra a FAG: um ataque ao direito de lutar

No fim de outubro, a Polícia Civil de Porto Alegre (RS) deflagrou a chamada Operação “Érebo”, uma orquestração do velho Estado contra os movimentos populares que teve como alvos a Federação Anarquista Gaúcha (FAG) e outras organizações independentes.

Lorena e Gabriel contaram ao AND sobre as perseguições políticas no RS e no Brasil
Lorena e Gabriel contaram ao AND sobre as perseguições políticas no RS e no Brasil

Em 25 de outubro, tal operação cumpriu 10 mandados de busca e apreensão nas cidades de Porto Alegre, Viamão e Novo Hamburgo, na procura de “responsáveis” por ataques contra sedes policiais, prédios de partidos eleitoreiros, bancos, concessionárias de veículos, uma igreja católica etc. No entanto, absolutamente nada relacionado aos ataques foi encontrado nas residências e na sede da FAG, que também foi invadida pela polícia. Os únicos materiais encontrados pelos agentes que a polícia considerou “incriminadores” foram panfletos, livros e cartazes de propaganda anarquista.

Toda essa campanha reacionária e histérica foi engrossada por uma “reportagem” apócrifa exibida pelo rebaixado programa dominical Fantástico, da Rede Globo.

Já na primeira semana de dezembro, no dia 4, quando esta matéria era redigida, a Operação “Érebo” voltou a perseguir e invadir casas de militantes anarquistas na região metropolitana de Porto Alegre.

No dia 1º de dezembro, a reportagem do jornal A Nova Democracia entrevistou Lorena, da FAG, e Gabriel, da Federação Anarquista do Rio de Janeiro (Farj), ambos militantes de organizações que integram a Confederação Anarquista Brasileira (CAB). Lorena estava no Rio de Janeiro, pois, no dia anterior, havia participado de um debate na Universidade Cândido Mendes (UCM) sobre a criminalização dos protestos populares. A entrevista foi concedida na sede do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo), na Cinelândia.

— Essa operação, assim como outras operações, são a cobrança das grandes mobilizações de 2013 e para tentar dar o recado para o setor combativo das mobilizações a nível nacional. A criminalização, de fato, não escolheu uma localidade só, um território. Ela vem sendo trabalhada há praticamente um ano com o levantamento de “provas” através da 1ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre. É uma operação que, no primeiro momento, você não tem dúvida que é uma operação anti-anarquista, anti-ideologia de esquerda - diz Lorena, que prossegue:

— Hoje [no dia da entrevista], mais casas de militantes anarquistas foram invadidas, violadas. Quebraram tudo que tinha dentro. O que puderam apreender como “provas”, eles apreenderam. Basicamente, durante todo esse processo as “provas” são literaturas anarquistas. A gente sabe que o delegado e a polícia são executores dessa perseguição e tem o governo comprometido com isso, tem empresa e tem, por trás dessa operação, uma motivação muito grande de isolar um setor combativo das mobilizações - denuncia.

Ainda no dia 04/12, poucos dias depois da entrevista ao AND, Lorena foi demitida “sem justa causa” de seu emprego de garçonete na rede de hotéis Intercity, de Porto Alegre. A empresa alegou “corte de gastos”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro