Reforma trabalhista: instável, insegura e precária

Novembro trouxe péssimas notícias para o trabalhador brasileiro. A contrarreforma trabalhista, que promete destruir os direitos sociais e aumentar a precarização dos contratos de trabalhos e salários, já entrou em vigor.

Verena Glass
Para Ganz Lúcio, contrarreforma transformará o Brasil num país de boias-frias (foto: Verena Glass)
Para Ganz Lúcio, contrarreforma transformará o Brasil num país de boias-frias

Segundo a última pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicada no dia 17 de novembro, dos 13 milhões de desempregados no país, 63,7% são pretos e pardos, o que demonstra a perpetuação da desigualdade e do preconceito racial no Brasil. E para manter o processo de sabotagem aos direitos dos trabalhadores, o governo diminuiu a projeção para o salário mínimo do ano que vem.

Em entrevista ao jornal A Nova Democracia, o diretor do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), Clemente Ganz Lúcio, falou sobre alguns desses assuntos, e da nova realidade do mercado de trabalho para os trabalhadores brasileiros após a implantação da contrarreforma trabalhista.

AND A reforma trabalhista acaba de entrar em vigor, e algumas empresas já estão oferecendo vagas para trabalhadores intermitentes. Como o senhor analisa esse novo cenário do mercado de trabalho no Brasil?

Clemente Ganz Lúcio – A nova legislação trará um conjunto de regras que levará a um novo ambiente no sistema de relações de trabalho, que ninguém sabe exatamente para onde vai. Ela abre a possibilidade de novas formas de contratação muito mais flexíveis do ponto de vista do contrato e da jornada de trabalho. Existe a terceirização, o tempo parcial, home office, o prazo determinado e a jornada intermitente, que é uma das possibilidades mais flexíveis da reforma. Aparentemente as empresas estão tomando a iniciativa de contratar os trabalhadores dessa maneira, e isso poderá acontecer ainda mais no comércio, incluindo bares, restaurantes e hotéis.

AND Logo após a aprovação da reforma trabalhista, o senhor afirmou que o país se transformaria num país de boias-frias. O senhor acredita que esse será o futuro das classes trabalhadoras urbanas no Brasil?

Em alguma medida a forma flexível ao extremo, que é a experiência da jornada zero hora, já existe em alguns países, e torna parte da força de trabalho urbana numa força de trabalho de boias-frias urbanos. As pessoas aguardarão o contato de uma empresa para trabalhar um dia, uma hora, ou alguns dias na semana, sem que se tenha nada de definitivo ou permanente. E nesse ponto será igual à situação do boia-fria rural, que sai todo dia de madrugada para disputar a chance de ter aquele dia de ocupação, e de remuneração, extremamente inseguro.

AND É a precarização legal.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin