Invasão de Mosul deixou 9 mil civis mortos

Mais de nove mil civis foram massacrados durante invasão de Mosul, no Iraque, pela coalizão militar dirigida pelo imperialismo ianque, segundo investigou o monopólio da imprensa Associated Press. A operação tinha por objetivo expulsar os combatentes da Resistência Nacional, ligados ao Estado Islâmico, e se apropriar do território estratégico.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Essa investigação revelou que a guerra de agressão ianque deixou um número de vítimas civis quase dez vezes maior do que era estimado oficialmente pelos invasores. Ainda segundo o relatório, 3,2 mil civis foram mortos só contando os bombardeios e ataques aéreos promovidos pelo USA.

A “coalizão” dirigida pelos ianques tangenciou afirmando que não possui condições de enviar investigadores para Mosul, e só assume 326 mortes.

A operação de invasão a Mosul iniciou-se em outubro de 2016 e só concluiu-se no fim de junho de 2017. Mobilizando tropas especiais e um grande aparato bélico, em aproximadamente nove meses concentrados de guerra, os ianques não conseguiram destruir os combatentes da Resistência Nacional, que se dispersaram em vários territórios para aplicar a guerra de guerrilhas. Foi uma vitória de pirro.

“A ralé de poucos milhares [seis mil] de combatentes do Estado Islâmico foi capaz de manter o controle de Mosul por nove meses, contra ao menos 100 mil [soldados] das forças apoiadas pelo USA”, avaliou na época o major John Point, da Academia Militar do USA, em entrevista ao Wall Street Journal, em 20 de julho do ano passado.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin