Venezuela: ianques e lacaios instigam intervenção

Recentemente reacendeu no cenário internacional o debate sobre uma intervenção militar estrangeira, promovida por uma “coalizão regional”, na crise política e social que sacode a Venezuela.

Amazonlog
Exército ianque em treinamento na Amazônia brasileira, junto a Peru, Brasil e Colômbia (Amazonlog)
Exército ianque em treinamento na Amazônia brasileira, junto a Peru, Brasil e Colômbia

Em artigo intitulado Intervenção militar estrangeira na Venezuela deve ser considerada, Ricardo Hausmann, ex-ministro do governo reacionário de Carlos Andrés Perez e hoje radicado no USA, defendeu abertamente a conformação de uma força militar para invadir a Venezuela e impor a guerra de rapina contra a nação venezuelana, como “talvez única saída” para a crise política, econômica e social.

A posição do lacaio ianque nitidamente expressa um dos planos dos USA para intervir contra a Venezuela e reestruturar sua semicolônia em crise e dirigida por um social-fascista, Nicolás Maduro, que se põe cada vez mais sob a área de influência do imperialismo russo (ainda que mantendo suas relações e redes de dominação com o imperialismo ianque). Esse, no entanto, não é o único. O establishment ianque está dividido sobre a questão.

Para reestruturar sua semicolônia recolocando a fração compradora no centro do aparelho Estatal e cessar o movimento no sentido da influência russa, os ianques, hoje, não têm outra solução que não promover uma imposição militar. Os representantes políticos da fração compradora na “oposição”, no entanto, estão divididos e pugnam mesmo entre si.

O social-fascista Maduro avança sobre a velha ordem demoliberal e, com uma Assembleia Constituinte corporativa, investe contra o parlamento, dominado pelos “opositores” da fração compradora da grande burguesia, mas mantém as relações de dominação com o imperialismo e a exploração e miséria sobre as massas - caminha para um regime tipicamente corporativo, fascista.

Soluções políticas não bastam para os ianques ou seus mais legítimos representantes da fração compradora da grande burguesia, vinculados diretamente às oligarquias financeiras.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro