A heroica resistência palestina retratada em versos

A- A A+

Vinicius Alves1

A luta do povo palestino contra o Estado sionista de Israel se intensificou com inúmeras ações armadas e protestos após o arquirreacionário Donald Trump oficializar a transferência da embaixada ianque para Jerusalém, reconhecendo assim esta cidade como capital do Estado invasor de Israel. Ao redor do mundo têm ocorrido manifestações em solidariedade à combativa luta do povo palestino e como forma de prestar uma singela homenagem a esta luta apresentamos três poemas, que visam exaltar a heroica resistência das massas palestinas.

A heroica resistência palestina. Charge: Vini Oliveira

Oh Gaza! Em ti ardem as chamas da rebelião!

Oh Gaza! Em ti ardem as vermelhas chamas da rebelião!
Quanto heroísmo brota do seu arenoso e pedregoso chão!
Quanto sangue derramado nestas terras,
quantos séculos de batalhas sem tréguas!

Quantos pais e mães choraram pelo sangue derramado de seus filhos,
quantos amores desfeitos,  quantos sonhos perdidos,
quantas alegrias sufocadas, quantas noites não dormidas.

Mas em ti indomável Gaza, em teus filhos e filhas,
a chama da liberdade flameja e crepita.
Nos corpos e mentes dos teus filhos e filhas,
pulsa vibrante o clamor pela expulsão dos vis invasores e libertação da Pátria.

Na heroica resistência e luta de teus filhos e filhas, Gaza,
há o clamor pelo histórico dia em que o Sol da soberania
irradiará pelo seu corpo, tornando o dia mais belo, forte, leve,
queimando a infame estrela azul que hoje tanto vos oprime.


No aço, ferro e fogo, assim é temperada essa juventude

 Dias tormentosos pairam na Palestina.

As bombas precipitam-se sobre as suas descontínuas terras,
explosões fragmentam prédios, casas e corpos.
As bombas estilhaçam vidas e sonhos,
deixam entre os escombros tristeza, mães desoladas e crianças mutiladas.

Mas a esperança (sobre)vive, (r)existe a toda humilhação ao longo da história,
dos bombardeios, barbárie e genocídio perpetrados pela besta sionista.
Dos escombros dos seus prédios, do sangue derramado de seus filhos e filhas,
do ventre de suas mulheres, gestam-se os corpos que carregam a esperança.

Nos corpos de sua juventude, em seus rostos cobertos,
com armas e pedras nas mãos, alumiam-se as chamas da Resistência!
A dor e ódio são os pães que alimentam esses jovens em Rebelião,
que carregam o peso em seus ombros e seguram em suas mãos
a esperança de uma Nação Palestina liberta e soberana.


Relato de um jovem combatente palestino2

O que eu trago não são palavras bonitas e reconfortantes,
mas são palavras sinceras de um jovem que entregou tudo por sua gente.

Nasci entre escombros, cresci sendo odiado por um povo que invadiu a minha terra.
Todos os dias, acordo e penso que pode ser o meu último dia nessa vida,
pois a qualquer momento um míssil pode rasgar o céu azul e precipitar-se sobre a minha casa.

Os buracos das construções não são tão maiores que o buraco em meu peito.

Não consigo me divertir, não consigo dormir.
Dia e noite sinto-me aflito
com um possível bombardeio pela via área
ou uma incursão por terra.

Navios no mar, tanques na terra e helicópteros no ar,
vivem a nos fustigar, cercear e vigiar.
Falcões metálicos nos observam,
hienas fardadas nos espreitam
e tubarões mecânicos nos restringem.

Cresci sem brincar, vivi sem sorrir.
Não desfrutei a companhia de amigos.
Não gozei o sentimento de uma pulsante e vivida paixão ou as dores do Amor.

Como querem que eu não sinta ódio
por esse Estado genocida e terrorista?
Saibam que o meu ódio e minha fúria
nasceram de uma existência nessa paisagem cinza e empalidecida.

Sinto Ódio, ódio de minha pessoa e de meus antepassados
que regaram essa terra com o seu sangue.
Sinto Dor, dor de transitar entre corpos fragmentados,
dor de ver familiares e vizinhos despedaçados pelas ruas,
dor de avistar crianças inocentes mutiladas,
dor de ver seres que perambulam sem esperanças por essa vida.

Do meu profundo estado de dor, nasce a vontade de lutar.
O espírito de combate flameja em meu peito, vivifica a minha alma.

As chamas da rebeldia se alimentam do combustível que é o meu ódio.
As chamas da Rebeldia se alimentam do ódio acumulado de gerações,
daqueles que me precederam, daqueles que caminham ao meu lado por essas terras áridas e daqueles que virão depois de mim.

Querer que eu não faça nada é tentar me forçar a aceitar
a morte de milhões de meus irmãos e irmãs.
Com ou sem arma lutarei, pois só vivo na medida em que luto.
O caminho é lutar, lutar até morrer.

Luto para que as crianças tenham um futuro,
onde possam crescer, brincar e ser realmente felizes,
acompanhadas de seus pais,
que tenham um futuro e não apenas um breve presente.

Lutar pelo direito de pisar sobre essa terra
e poder dizer que é realmente nossa
e não de um invasor e saqueador estrangeiro.

Com as pedras e armas nas mãos,
com os rostos cobertos, com o medo controlado,
lanço-me junto com meus irmãos e irmãs, na tormenta contra o monstro sionista,
a nossa Intifadah foi iniciada!

Encaramos a besta de frente, deferimos-lhes golpes mortais,
vivenciamos altos e baixos, perdas e vitórias,
aniquilamentos e tombamentos, avanços e recuos,
porém a nossa luta continua
e a nossa Resistência não cessará
até o último inimigo for enxotado e a Pátria liberta.


Notas:

1 - Os poemas são da autoria do autor, Vinicius Alves
2 - Poema inspirado em uma série de documentários e filmes como, por exemplo, Children of Gaza (Crianças de Gaza, em português), lançado em 2010, dirigido por Jezza Neumann, Fuego sobre el Mármara (Fogos sobre o Mármora, em português), de 2011, Palestine Is Still The Issue (A Palestina continua sendo a questão, em português), de 2002, produzido por John Pilger, Promisses (Promessas, em português), de 2001, dirigido por Carlos Bolado, Tears of Gaza (Lágrimas de Gaza, em português), lançado também em 2010, dirigido por Vibeke Løkkeberg.
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait