200 anos de Karl Marx

Bicentenário de um Gigante do Proletariado Mundial

Nascido em 1818 na cidade de Trevis, Alemanha, o genial pensador e dirigente do proletariado internacional Karl Heinrich Marx foi o fundador do comunismo científico, artífice da tática e da estratégia revolucionária do proletariado.

Karl Marx no seu escritório em 1875, pintura de Zhang Wun
Karl Marx no seu escritório em 1875, pintura de Zhang Wun

Sua obra rigorosamente científica demonstrou de modo irrefutável a inevitabilidade da substituição do capitalismo pelo comunismo, e que tal transformação seria obra do proletariado, guiado por seu partido revolucionário, que por meio da sua emancipação política (a conquista do Poder e estabelecimento da Ditadura do Proletariado como etapa de transição, o socialismo) conduziria à emancipação da Humanidade, à sociedade comunista.

Marx estabeleceu o materialismo dialético histórico, reconhecido por seu inseparável camarada de armas, Friedrich Engels, como marxismo. Sobre a luta pela direção desta ciência no movimento operário, o próprio Engels reconheceu a condição de chefatura de Marx. Teoria como a arma com a qual o proletariado organizado em seu destacamento de vanguarda poderá promover a “derrubada violenta de toda a ordem social existente” e edificar a sociedade sem classes, sem a exploração do homem pelo homem: o comunismo.

Assim, desde seus fundamentos, o marxismo afirmou a necessidade da organização do proletariado em um partido diferente de todos os que haviam surgido até então na história; a necessidade da violência revolucionária como o método para a revolução e da aliança com as demais classes oprimidas, tudo sob a direção absoluta desse partido revolucionário proletário.

Em 1844, Marx conheceu Friedrich Engels, de quem recebeu inestimável suporte para erigir sua monumental obra e a quem une esforços no trabalho conjunto que carrega o indelével selo internacionalista.

Foi assim que, afrontando todo o tipo de dificuldades, em meio à luta cerrada contra as diversas doutrinas do socialismo pequeno-burguês e não-proletário, Karl Marx e Friedrich Engels deram à luz a ciência do proletariado, teoria e a tática do socialismo proletáriorevolucionário.

É através do Manifesto do Partido Comunista, obra de Marx e Engels publicada em 1848, que o movimento comunista internacional recebeu sua certidão de nascimento. Júbilo para o proletariado internacional que, a partir deste momento, passou a contar com uma missão, um programa, meios e tarefas comuns definidas para enfrentar seus inimigos de classe. A partir de então uma consigna começou a correr cidades, planícies e mares: Proletários de todos os países, uni-vos! Voou sem ter asas e retumbou no continente europeu atravessando oceanos. Hoje, o timbre de seu eco é escutado firme e forte em todos os rincões do mundo.

A ideia fundamental e íntima concebida no Manifesto – de que o proletariado, classe explorada e oprimida, não pode emancipar-se da classe que o explora e oprime sem emancipar, ao mesmo tempo e para sempre, toda a sociedade da exploração, da opressão e da luta de classes – pertence única e exclusivamente a Marx, tal como afirmou Engels em 1883.

Esta ideologia científica é o marxismo, todo-poderosa porque verdadeira.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro