O protesto popular grafado nos muros

Corrupção, fraudes, lavagem de dinheiro, e um estado quebrado, esses são os grandes legados deixados pela Copa e as Olimpíadas no país. Mas quem já não sabia?

A Copa da Fifa e os Jogos Olímpicos de verão são os principais eventos esportivos no mundo. De dois em dois anos, durante algumas semanas as atenções do planeta se voltam para os países-sede, que além de receberem os maiores atletas da atualidade, costumam utilizá-los para divulgar suas cidades e promover sua cultura para o resto do mundo.

Mas, ao contrário do espírito esportivo, esses megaeventos se tornam grande oportunidade de negócio e lucros para os especuladores imobiliários e os monopólios transnacionais. E, como não podia deixar de ser, colecionando casos e mais casos de corrupção. Nas últimas duas décadas, praticamente todas as escolhas das sedes para Copa da Fifa e Olimpíadas estiveram envolvidas em denúncias de corrupção, fraudes ou lavagem de dinheiro, e com o Brasil não foi diferente.

Em um país semicolonial como o nosso, era natural que os arquitetos da espoliação nacional encontrassem um terreno fértil para colocar em prática um dos maiores casos de corrupção da história. Desde que o país foi escolhido como sede da Copa da Fifa e dos Jogos Olímpicos de 2016, o governo PT/PMDB, na época sob a gerência de Luíz Inácio, bradou aos quatro ventos que aqueles megaeventos seriam uma oportunidade única para o país, e que o legado deixado por eles se transformaria no passaporte para o futuro que, enfim, chegaria a nossas praias. Diante das críticas ao dinheiro público investido em detrimento das necessidades básicas da população, como educação e saúde, Luíz Inácio desconsiderava, recorria a velhos clichês ufanistas e distribuía pérolas como “ser contra a Copa do Mundo e as Olimpíadas por falta de hospitais é um retrocesso enorme”.

“Retrocesso” esse que foi coibido violentamente pelas esferas governamentais que participaram da farra esportiva. Além da privatização do espaço público, a militarização das cidades-sede, a segregação das camadas mais pobres da população e a criminalização de toda e qualquer forma de manifestação contrária ao circo montado em nossas praças, praticamente todas as obras realizadas no período foram superfaturadas. Em depoimento na Operação “Calicute”, a mesma que levou o ex-governador Sérgio Cabral para a cadeia, o executivo Clovis Primo, da Andrade Gutierrez, detalhou que assim que o país foi escolhido como sede da Copa do Mundo de 2014, todas as empresas interessadas em participar das obras se reuniram para fazer um conluio que as beneficiassem. O acerto mais consistente se deu entre a Odebrecht e a Andrade Gutierrez, que davam cobertura uma a outra para fraudar as licitações que participavam.

A quadrilha olímpica

Apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como o chefe da organização criminosa que desviou milhões de reais dos cofres do estado, Cabral tinha um sofisticado esquema de propina que envolvia membros do governo estadual, do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ), da Assembleia Legislativa (ALERJ) e grandes empresários. Além de receber uma mesada das empreiteiras Andrade Gutierrez e Carioca Engenharia, o ex-governador cobrava 5% sobre o valor total das obras realizadas no estado, como a reforma do Maracanã e linhas do metrô, e mais 1% de taxa de “oxigênio”, que seria destinada aos outros membros da quadrilha.

Ainda segundo o MPF, os generosos benefícios fiscais em favor das empresas envolvidas no esquema de corrupção fizeram com que o estado do Rio de Janeiro deixasse de arrecadar mais de R$ 183 bilhões em cinco anos. Isso demonstra  que a crise financeira que assola o estado, humilha os servidores públicos, e deixa a população entregue à própria sorte está diretamente ligada aos movimentos da quadrilha que tomou de assalto o estado do Rio. Mas ao falarmos de corrupção e lavagem de dinheiro em eventos esportivos, não poderíamos nos esquecer dos principais dirigentes do esporte brasileiro.

No dia 5 de outubro de 2017, o então presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, o homem que durante 22 anos comandou de maneira tirana os rumos do esporte olímpico nacional, também virou réu na Operação “Lava Jato”, acusado de intermediar a compra de votos para que o Rio de Janeiro fosse escolhido sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Como não poderia deixar de ser, o onipresente Sérgio Cabral, que já foi condenado a mais de 87 anos de prisão e ainda responde a 20 outros processos na justiça, acumulou mais uma condenação à sua extensa folha corrida. Nuzman, que chegou a ser preso pela Polícia Federal em outubro, teve a liberdade concedida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas ao que tudo indica, o ex-presidente do COB, que aumentou o seu patrimônio em 457% nos últimos dez anos, coincidentemente os anos em que o país recebeu os Jogos Pan-Americanos (2007), a Copa do Mundo de Futebol e as Olimpíadas, e guarda 16 quilos de ouro num cofre da Suíça, ainda terá muito que explicar.

No USA, o ex-presidente da CBF na época da Copa, José Maria Marin, apoiador do regime militar-fascista, passou o réveillon na cadeia. José Maria Marin foi condenado por organização criminosa, fraude financeira e lavagem de dinheiro. Com isso, sua pena pode chegar a até 120 anos. Aqui no Brasil, Marco Polo Del Nero, o substituto de Marin na CBF, por via das dúvidas, preferiu sair à francesa e passar a bola para o seu testa-de-ferro de plantão, Coronel Nunes, outro agente do regime militar-fascista.

Olhando para trás poderíamos afirmar que tudo que aconteceu durante esses eventos já era esperado. Havia um governo oportunista eleitoreiro, a lógica do mercado ditando as regras em um país semicolonial, uma grande burguesia nacional criminosa que vive associada ao  velho Estado e ao capital imperialista, e um monopólio da imprensa totalmente conivente e parceira dos crimes cometidos contra o povo brasileiro. O papel vergonhoso que grande parte da imprensa teve durante todo esse processo não é nenhuma novidade, ela é um dos pilares do sistema excludente que impera no Brasil, por isso, é cada vez mais importante a existência da imprensa popular e democrática em nosso país.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin